O que é Pix? Entenda a nova opção de transferências de graça e a qualquer hora

O Pix foi criado para facilitar a vida das pessoas que querem pagar seus boletos e fazer transferências na hora em que elas desejarem e de graça.

Você já ouviu ou leu muito sobre esse assunto nas manchetes de notícias, mas ainda não entendeu o que é Pix, e nem para que ele serve? A ferramenta é novidade e deve começar a funcionar no país a partir do mês de novembro de 2020. Ao contrário do que seu nome indica, não é nada complicado vindo do mundo da informática.

Na verdade, o Pix é um recurso criado pelo Banco Central do Brasil para facilitar a vida das pessoas que querem pagar seus boletos e fazer transferências na hora em que elas desejarem, seja à noite, de madrugada, no fim de semana ou feriado, independente do horário do banco.

O que é Pix?

O Pix é uma forma de fazer pagamentos e transferências entre pessoas e empresas. O sistema veio para substituir os tradicionais DOC, TED e boletos bancários. Ele facilita e agiliza o pagamento a qualquer dia e horário que o consumidor quiser e, o melhor de tudo, de forma totalmente gratuita.

Mas vale ressaltar que a parte grátis fica reservada somente à pessoa física (PF). Alguns bancos podem cobrar de seus clientes pessoa jurídica (PJ) uma taxa pelo uso do Pix, outros já dispensam o pagamento, como é o caso do Nubank. Então, se você é um empresário, a cobrança dependerá da instituição bancária em que tem conta.

O Banco Central vai publicar uma norma para detalhar quanto e como a PJ poderá ser tarifada. Mas promete que o custo será mais baixo do que o de outros meios de pagamento.

Como funciona o Pix?

O Pix funciona por meio de chaves cadastradas pelos usuários em suas contas bancárias. Essas chaves podem ser:

  • CPF;
  • número de telefone;
  • e-mail;
  • combinação numérica aleatória.

Serão permitidos pagamentos em estabelecimentos físicos, lojas online ou transferências entre pessoas, empresas ou instituições do governo.

Para dar um exemplo, o processo é parecido com a ação de enviar um e-mail, em que é preciso saber o endereço da pessoa, como as chaves. Dessa forma, ao invés de ter que lembrar ou anotar o código do banco e números de agência, conta e CPF, tudo o que os usuários precisam saber é uma chave do Pix.

Uma chave usada em um banco não poderá ser usada para outro, mas é permitido fazer a portabilidade da chave para outra instituição. Em outras palavras, se você adicionar seu número de telefone como chave do Pix em uma conta, não poderá adicioná-lo também em outra.

Serão permitidas até cinco chaves cadastradas por instituição para conta de PF, e 20 para conta de PJ.

Transações por QR Code

Poderão ser usados QR Codes estáticos e dinâmicos em transações no Pix. Neste caso, o estabelecimento que receberá o valor pago por você – supermercado, padaria, farmácia – apresentará um QR Code por meio do celular, que poderá ser lido pelo seu celular. Serão aceitos todos os tipos de smartphone.

O QR Code estático poderá ser utilizado para realizar várias transações com valores predefinidos para um produto ou um valor pelo pagador. Seu uso é indicado para transferências entre duas pessoas físicas.

Já QR Code dinâmico vai ser adequado para pagamento de compras, entre estabelecimento e pessoa física. Poderá apresentar informações diferentes a cada transação e vai permitir que sejam incluídos dados adicionais sobre a compra.

Veja também: Quanto rende a poupança?

Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário