Depreciação

A depreciação é a perda de um valor de um decorrente da sua utilização, do desgaste natural ou mesmo da sua obsolescência.

A depreciação pode ser explicada como a perda de valor de um bem decorrente da sua utilização como um todo. Uma vez que pode ser referente ao uso, o desgaste de ordem natural ou mesmo da obsolescência.

Vale destacar que na contabilidade das empresas, em que essa depreciação é registrada como percentual do valor contábil do bem. Podendo ser descontado ao longo do tempo e tudo ligado a expectativa de vida útil.

Em primeiro lugar, é necessário mostrar que no caso dos bens irão compor o ativo permanente da empresa. Aqueles que forem adquiridos com a expectativa de serem usados por um período maior que um ano.

Como é contabilizada a depreciação?

É necessário mostrar que é quando o bem é empregado diretamente na produção, na sua depreciação como custo. Entretanto, para os bens que não são usados diretamente na produção podendo ser lançada como despesa.

Essa diferença entre uma e outra forma de lançamento referente aos custos que podem ser atribuídos ao produto final. Podendo facilitar a análise do retorno que o produto está conseguindo gerar para as empresas.

No entanto, as despesas são de caráter geral e dificilmente poderão vir a serem desvinculadas por um ponto. Sendo diretamente aos produtos e os serviços oferecidos por uma empresa que estiver em questão.

Impacto no cálculo de impostos

A contabilização da depreciação do ativo da empresa e é essencial ter um cuidado especial. Trata-se de não ser apenas para aumentar o controle sobre as finanças ou mesmo os riscos que estiverem inerentes a tudo.

Esse fato se dá por um motivo muito especial e trata-se do impacto direto no cálculo dos impostos. Já que poderá ser registrada como um custo inerente à produção, portanto, a depreciação será descontada do lucro da empresa.

Além disso, o registro da depreciação também vai corrigir o valor do bem ao longo dos anos. Podendo também ter reflexos nos impostos devidos e um bom exemplo para entender é o IPVA, pois os carros vão se depreciando.

Regras para registrar a depreciação

Para ter fins tributários, a depreciação deve ser registrada no balanço das empresas de acordo com as regras. Esses limites da estabelecidos na legislação fiscal e, assim, sendo, a Receita Federal tem papel nisso tudo.

Vale demonstrar que a depreciação pode começar a ser contada desde o momento da instalação do bem. No final desse período da vida útil, não podendo ultrapassar o custo de aquisição do ativo que estiver em questão.

Taxa de depreciação dos principais bens

Para aprender mais sobre a depreciação é de grande valia mostrar um exemplo que tenha a fazer sentido para todos. Dessa maneira, nada melhor do que conferir tudo através do que será citado a seguir, veja:

Bem Taxa
Edificações 4%
Instalações 10%
Máquinas e equipamentos 10%
Móveis e utensílios 10%
Ferramentas 15%
Veículos com capacidade de até 10 passageiros 20%
Computadores e equipamentos de informática e comunicação 20%
Veículos de mercadorias, incluindo boa parte dos caminhões 25%
Tratores 25%

A taxa de depreciação vai depender do desgaste que o bem possa sofrer com a utilização de tudo. Um bom exemplo são as corretas transportadoras e de transmissão que foram feitas de borracha, sendo preciso trocar sempre.

Cálculo da depreciação

Esse método irá atribuir quotas crescentes e também decrescentes de depreciação. Entretanto, para efetuar o cálculo é preciso usar o método tradicional e nada melhor do que conferir a seguir:

Pense em um carro que custa R$ 50 mil e tem vida útil de 5 anos, a conta ficaria assim: Ano 1, Ano 2, Ano 3, Ano 4, Ano 5 e, assim sendo, 1+2+3+4+5 = 15

Ano 1: 1/15 x R$ 50.000 = R$ 3.333,33

Ano 2: 2/15 x R$ 50.000 = R$ 6.666,67

Ano 3: 3/15 x R$ 50.000 = R$ 10.000,00

Ano 4: 4/15 x R$ 50.000 = R$ 13.333,33

Ano 5: 5/15 x R$ 50.000 = R$ 16.666,67

Depreciação
Avalie
Voltar ao topo

Deixe um comentário