Regras e macetes para não errar o uso da crase

Confira o que é a crase e quais são as situações em que o acento grave pode ou não ser usado para não errar na sua prova de concurso público.

A Língua Portuguesa é repleta de regras quanto a acentos, pontuação e uso correto de palavras que deixam qualquer um confuso! Porém, mesmo que as dúvidas na escrita sejam comuns, na hora da prova, qualquer erro torna-se imperdoável por roubar preciosos pontos da sua colocação.

Um dos conteúdos que mais gera incertezas na cabeça do concurseiro é o uso da crase? Onde devo usar? Em que situações o acento grave não é permitido? Como faço para não errar isso na minha questão? A seguir, trouxemos as regras para o uso da crase, além de macetes para acabar, de vez, com esse problema!

O que é a crase?

Para responder o que é a crase, precisamos recorrer ao idioma grego que traduz o termo como “mistura” ou “fusão”. Relacionando ao seu uso na Língua Portuguesa, temos que a crase é o acento grave que indica a contração de duas vogais, sendo elas idênticas. Porém, essa junção deve obedecer o seguinte:

  • preposição A com o artigo feminino A
  • preposição A com o A do início de pronomes demonstrativos (aquele, aqueles) ou relativo (as quais)

Ou seja, o uso da crase acontece quando houver a fusão entre esses elementos. Porém, a aplicação dessa regra na prática, nem sempre, é tão fácil e demanda identificar as situações em que a fusão acima ocorre.

Quando posso usar a crase?

De modo geral, o uso da crase obedece cinco regras básicas que vemos a seguir:

  • Diante de substantivos femininos

A regra geral é que, antes de substantivos femininos precedidos pelo artigo A, é usada a crase. Veja:

  • Marina vai à praia amanhã cedo.
  • João não foi à escola hoje.

Na indicação das horas

A crase deve ser usada sempre que houver locução indicativa de horas. Exemplos:

  • O show começa às oito da noite.
  • A reunião terminou às quatro da tarde.

Porém, é importante destacar que, nos casos em que as horas forem precedidas por preposições (desde, para e até), o artigo não receberá a crase. Exemplos:

  • A senhora aguarda atendimento desde as oito da manhã
  • O encontro foi remarcado para as cinco da tarde.

Antes de locuções adverbiais femininas que expressam lugar, tempo e modo

São exemplos desse tipo de uso:

  • Camila saiu às pressas para buscar o filho na escola.
  • Às vezes, converso com ele pelo telefone.

Pronomes demonstrativos aquele, aquela, aquilo e seus plurais

A crase é empregada quando o termo que antecede o pronome exigir a preposição A.

  • Falei àquela menina que não poderia ir
  • Dirigi-me àquela fazenda

Quando não devo usar a crase?

Salvo raras exceções, a crase não deve ser usada antes de substantivos masculinos porque, antes deles, não há o emprego do artigo A que indique um termo feminino. Veja nos exemplos abaixo;

  • Costumo ir a pé para o trabalho.
  • A dívida com o banco foi paga a prazo.

A exceção vai para quando, no emprego do substantivo masculino, houver o uso implícito da expressão “à moda de”, “à maneira de”. Por exemplo:

  • Ele fez uma jogada à Neymar (à moda de Neymar)

Demais situações em que o uso da crase não é permitido:

  • Antes de pronomes pessoais: Eu pedi a ela uma bolsa emprestada
  • Antes de verbos: Estou disposta a recusar
  • Antes de nomes de cidade que não usam o artigo feminino: Vou a Recife no próximo feriado
  • Depois de preposições: Seguiremos para o bar após a colação.
  • Entre palavras repetidas: Você precisa se alimentar direito no seu dia a dia

Casos especiais de uso da crase

Algumas situações especiais demandam um pouco mais de atenção quanto ao uso da crase. Confira.

Palavra casa

O uso da crase antes da palavra casa depende da determinação por um adjunto adnominal. Se, indicando o lar, residência da pessoa, não vier determinada pelo adjunto, a crase não é empregada. Porém, caso haja a determinação do adjunto adnominal, a crase deve ser usada.

  • Volte a casa cedo / Volte à casa dos meus pais.

Palavra terra

Se, na frase, a palavra terra for usada no sentido de solo sem alguma determinação, a crase não é usada. Caso contrário, o acento grave deve ser empregado. Veja:

  • Chegaram a terra / Chegaram à terra dos avós.

Pronomes relativos

Os pronomes relativos cujo e quem não demandam crase. Porém, os relativos qual e quais exigirão o acento caso seus correspondentes no masculino forem ao qual e aos quais.

  • Achei o menino a quem procurava
  • Esta é a empresa à qual me referi / Este é o emprego ao qual me referi

Que

A regra geral é não usar a crase antes do QUE. Porém, o acento grave é empregado quando houver a junção entre a preposição A com pronome demonstrativo A equivalente a AQUELA.

Para não ter confusão, tente trocar o substantivo feminino antecedente por um masculino. Caso ocorrer AO QUE ou AOS QUE, haverá crase. Veja exemplo dos casos citados:

  • Aquela é a revista a que me referi
  • Houve uma ideia anterior a que ele deu / Houve um palpite anterior ao que ele deu

É interessante frisar, também, que o mesmo raciocínio vale para a preposição DE:

  • Sua opinião é igual à de todos / Seu palpite é igual ao de todos.

Uso opcional da crase

Bem, agora que já sabemos quando podemos ou não usar a crase, é interessante compreendermos três situações em que seu emprego é opcional. São elas:

  • Após a palavra até

Caso, após a preposição ATÉ, vier alguma palavra feminina que permita o uso de artigo, o emprego da crase é opcional. Exemplo:

  • Os torcedores seguiram até a Praça Tamandaré / Os torcedores seguiram até à Praça Tamandaré

Antes de substantivos femininos próprios

O uso da crase antes de nomes próprios femininos é opcional porque o artigo que o precede é dispensável. Exemplo:

  • Alexandre fez uma proposta à Brenda / Alexandre fez uma proposta a Brenda

Antes dos pronomes possessivos femininos nossa, tua, minha…

Mais um caso em que o uso da crase é opcional devido ao uso do artigo. Exemplo:

  • Eu não devo satisfações à minha tia / Eu não devo satisfações a minha tia.

Dica para acertar o uso da crase

Para te ajudar na hora em que surgir aquela dúvida sobre usar ou não a crase, damos uma dica especial para o A que preceder uma palavra feminina. Tente substituir o substantivo em questão por outro, porém, no masculino. Caso o A vire um AO, daí, você precisa usar a crase.Veja como:

  • Vou à festa / Vou ao banco

Viu como, trocando FESTA por BANCO, a palavra passou a ser precedida pela partícula AO? Assim, você compreende que a crase antes do substantivo feminino deve ser utilizada.

Como cai na prova

Cargo: Secretário Auxiliar
Órgão: MPE Go
Banca: MPE Go
Ano: 2018

Assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, as lacunas das frases.

___________ situações delicadas envolvendo a situação carcerária no Brasil. Esse assunto chega ________ autoridades para tomarem ______ providências cabíveis, mas quase sempre não é tratado com a devida prioridade.

  1. As … as … as.
  2. Há … às … as.
  3. Há … as … às.
  4. Às … as … às.
  5. As … hás … as.
Regras e macetes para não errar o uso da crase
5 (100%) 4 votes
Voltar ao topo

Deixe um comentário