Concurso Público: Bolsonaro deve acabar com 170 mil cargos da administração pública federal

Após a extinção de 13 mil cargos em abril, como de jardineiro e operador de lancha, agora estão na mira do governo funções como hialotécnico, discotecário, detonador, seringueiro, linotipista e operador de telex. Hoje, a administração federal conta com 712, 5 mil cargos, destes 535 mil estão ocupados.

De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, o Ministério da Economia, de Paulo Guedes, estuda extinguir 170 mil cargos da administração pública federal.

Entre os cargos que são alvo do governo estão os de hialotécnico (especialista em moldar vidros), discotecário (profissional que organiza os trabalhos de guarda e localização de material musical), seringueiro, detonador, linotipista e operador de telex.

Vale ressaltar que os servidores que prestaram concurso para esses cargos, e ainda estão em ativa, vão permanecer no cargo até a aposentadoria. Em geral, segundo a coluna da Folha, estes profissionais já foram deslocados para serviços diversos e não exercem mais as funções para as quais foram contratados.

A medida de extinção das funções está em estudo na Secretaria Especial de Desburocratização e aguarda uma proposta de nova estrutura do serviço público defendida pelo ministro Paulo Guedes.

No mês de abril, o governo anunciou a extinção de 13 mil cargos, como os de jardineiro, mestre de lancha, atendente bilíngue e operador de máquinas agrícolas. Atualmente, a administração pública federal conta com 712, 5 mil cargos, destes 535 mil estão ocupados.

Veja também: Prefeitura em GO divulga edital de concurso com 1.044 vagas

Voltar ao topo

Notícias relacionadas

Deixe um comentário