Queda da Selic faz bancos reduzirem taxas de juros de linhas de crédito

Dentre as instituições participantes estão o Banco do Brasil, Bradesco e Itaú. Previsão de implementação dos novos valores é para hoje, segunda-feira, 10.

Na última quarta-feira, 5, o Banco Central anunciou mais uma queda na taxa de juros básica (Selic), dessa vez para 4,25%. Com a redução, bancos e financeiras também decidiram reduzir os juros de algumas de suas linhas de crédito, como por exemplo, as focadas em empréstimo pessoal e financiamentos imobiliários. 

Dentre as instituições participantes estão o Banco do Brasil, Bradesco e Itaú. A primeira, por exemplo, divulgou a redução nas taxas de juros em linhas de crédito imobiliário e varejo de pessoas físicas e jurídicas. Por exemplo, quem for adquirir imóveis nas modalidades Sistema Financeiro da Habitação (SFH) ou Carteira Hipotecária, pagará taxas a partir de 6,99% ao ano. 

Novas condições de crédito

O banco Itaú também diminuiu suas taxas de juros para seus clientes. No caso de pessoa física, a queda mais significativa estará nas linhas de empréstimo pessoal e para pessoas jurídicas, as vantagens estarão no capital de giro. 

Das instituições financeiras privadas, quem acompanha o Itaú é o Bradesco. No entanto, nesse caso, o banco não informou quais seriam as reduções. Mas o esperado é que as baixas atinjam as mesmas modalidades das anteriormente citadas. 

A previsão de implementação dos novos valores é para hoje, segunda-feira, 10. Ainda que haja uma redução significativa nas taxas aplicadas às linhas de crédito bancárias, as condições de aprovação e concessão ocorrerão de acordo com o perfil do cliente, com possibilidade de análise aos órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa. 

Onde investir

Com a queda da Selic, indicador básico de juros da economia, a rentabilidade das aplicações em renda fixa, como poupança e títulos públicos pode cair consideravelmente. Isso porque essas linhas de investimento acompanham o sobe e desce da taxa mor dos juros. 

Para esse momento, especialistas aconselham o investimento à outras formas de aplicações, como os de renda variável, que consequentemente darão mais lucros durante esse período de baixa da Selic. São eles: títulos públicos prefixados, mercado de ações, fundo imobiliários, entre outros.

Leia ainda: Selic a 4,25%: quanto rende R$ 1.000 na poupança e na NuConta?

Voltar ao topo

Deixe um comentário