Governo pode liberar tarifa de energia 100% gratuita por 3 meses durante o coronavírus

Meta é amenizar os efeitos econômicos causados pela pandemia sobre a população mais carente.

O senador e também presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado, Marcos Rogerio (DEM-RO), apresentou na última sexta-feira, 20, uma proposta inicial de medida provisória que concede gratuidade nas tarifas de energia por pelo menos três meses. O intuito é amenizar os efeitos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

O texto apresentado ao Ministério de Minas e Energia traz como objetivo central a isenção no pagamento da conta de luz em até 100% pelas famílias consideradas de baixa renda e inscritas no programa Tarifa Social (TS) que, atualmente, já concede uma redução no valor do tributo.

A MP, ainda a ser editada, define como verbas de custeio do benefício, os recursos advindos dos programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e de ações de eficiência energética. Além disso, propõe-se a gestão dos valores pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Beneficiários

Seriam beneficiados com a nova medida, famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) e no programa assistencialista Tarifa Social (TS), ambos de responsabilidade do governo federal. 

O  TS é um benefício que garante redução na conta de energia elétrica pelos primeiros 220kw consumidos durante um mês nas residências dos assistidos pelo programa. Os descontos, que podem chegar a 65%, variam de acordo com a faixa de consumo. Confira: 

  • Consumo mensal até 30kWh – 65%;
  • Consumo mensal de 31 kWh a 100 kWh – 40%;
  • Consumo mensal de 101 kWh a 220 kWh – 10%;
  • Consumo Superior a 220 kWh – 0%.

De acordo com o orçamento previsto para 2020, estima-se que serão gastos cerca de R$ 2,6 bilhões com o TS. Já para a nova MP, proposta por Marcos Rogerio, seriam gastos mais de R$ 5 bilhões. 

Contraposição

Apesar de os esforços de alguns governantes em suspender temporariamente as cobranças de água, luz e telefone, setores econômicos e de mercado têm ido contra essas iniciativas. 

Uma delas é a Abradee (Associação Brasileira de Energia Elétrica). Em resposta a essas possíveis sanções, representantes do setor divulgaram uma nota na semana passada que defendia o mantimento do fluxo de pagamento das faturas que, segundo eles, não pode ser  interrompido.

A justificativa para a oposição estaria no surgimento de um processo de “inadimplência generalizada”, caso houvesse a isenção nos pagamentos das faturas de energia. Segundo a associação, isso impactaria não só o setor elétrico, mas também o de arrecadação de impostos estaduais e federais, visto que muitos tributos vêm embutidos nas contas.

Outro argumento levantado pela Abradee envolve a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Segundo ela, discussões sobre a liberação dos pagamentos dos tributos pelos consumidores devem passar pela autarquia antes de serem colocadas em prática.

Leia ainda: Pandemia: Dois novos benefícios de até R$ 800 podem ser liberados pelo governo

Voltar ao topo

Deixe um comentário