Empregado com contrato suspenso receberá até 100% do seguro-desemprego

O chamado "Programa Emergencial de Emprego" também aponta redução da jornada e do salário em 25%, 50% ou 70% de formais.

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, declarou nesta quarta-feira, 1º, as ações que serão adotadas durante a implementação do Programa Emergencial de Emprego no combate às demissões em massa.

A medida provisória (MP), que tem como objetivo principal garantir a manutenção do emprego, será enviada quanto antes para votação no Congresso. A crise no setor empregatício se dá em razão do fechamento e paralisação de muitos comércios para evitar a disseminação da covid-19.

Reduções

Em seu texto, a MP permite a redução da jornada e do salário em 25%, 50% ou 70%. Para casos mais extremos, sobretudo de empresas que se mantêm praticamente paradas, o corte pode ser de até 100%. O custo total do programa está previsto em R$ 51 milhões.

Na tentativa de aliviar os impactos na queda brusca de rendimento do trabalhador formal, serão adotadas algumas estratégias no que diz respeito aos pagamentos. Confira:

  • Para reduções abaixo de 25%: não terão direito ao benefício emergencial;
  • Para reduções iguais ou superiores a 25% e menores que 50%: terão direito ao benefício no pagamento de 25% do que o trabalhador teria direito em caso de demissão;
  • Para reduções iguais ou superiores a 50% e menores que 70%: terão como pagamento complementar 50% do seguro-desemprego;
  • Para reduções iguais ou superior a 70%: receberão 70% do seguro-desemprego.

No caso de empresas, serão adotadas as seguintes medidas:

Empresas do Simples Nacional com receita bruta de até R$ 4,8 milhões: será pago até 100% do seguro-desemprego ao funcionário; 

Empresas sob o funcionamento de lucro real e presumido com receita bruta acima de R$ 4,8 milhões: será de responsabilidade da companhia pagar 30% do salário e o governo 70%  da parcela do seguro-desemprego.

Se houver a necessidade de uma suspensão total, o período máximo permitido será de até dois meses. Em troca, o trabalhador receberá como compensação do governo até 100% do seguro-desemprego que ele teria direito em caso de demissão. Além disso, a MP também garante a estabilidade do funcionário durante a medida e posteriormente por igual período.

Acordos

A pausa temporária do contrato de trabalho deve ser feita de forma consensual entre empregador e empregado, seja por meio de acordos individuais ou coletivos.  No primeiro caso, entram os funcionários com curso superior que recebem até R$ 3.135 (três salários mínimos) ou mais de R$ 12.202,12 (dois tetos do INSS).

Por outro lado, os tratos coletivos deverão ser decididos via assembleia virtual pelos sindicatos da categoria e os cortes aplicados a todos os empregados da empresa. No caso do pagamento do seguro-desemprego, o Secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcomo, afirmou que os depósitos acontecerão de forma automática ao trabalhador, sem que haja a necessidade de sua solicitação. 

Leia ainda: Auxílio de até R$ 1.200 para trabalhadores já tem data para ser liberado

Voltar ao topo

Deixe um comentário