scorecardresearch ghost pixel

Auxílio-doença do INSS atrasado? Saiba como garantir o benefício na Justiça

Previdência informa que prazo máximo para realização de perícia médica para auxílio-doença é de 35 dias, mas solicitantes afirmam que o tempo é muito maior.

Uma dúvida comum entre cidadãos que tentam receber o auxílio-doença do INSS é a possibilidade de acionar a Justiça para garantir seus direitos. O motivo de apelarem para a via judicial costuma ser a grande demora para agendamento da perícia médica, exigida para a liberação do benefício.

Embora a Previdência informe que o prazo médio para realização da perícia é de 35 dias, os solicitantes afirmam que, na prática, o tempo de espera é muito maior. De acordo com um levantamento do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), o prazo pode chegar a até seis meses.

Ana Maria Honório, uma faxineira de 47 anos, conta que deu entrada no auxílio-doença no final de setembro de 2020, mas após 90 dias de espera entrou na Justiça. Em seu segundo pedido administrativo, ela conseguiu agendar a perícia no INSS, marcada para abril deste ano.

“Entramos na Justiça porque o INSS estourou todos os prazos e não analisou o primeiro requerimento administrativo. Tentamos marcar um segundo pedido administrativo, inicialmente sem sucesso, e fomos à Justiça”, disse a advogada e coordenadora-adjunta do IBDP, Paula Assumpção.

“O requerimento judicial tem o objetivo de fazer com que o INSS agilize a análise do benefício, ou que o Judiciário, com base na documentação, faça a perícia no segurado e verifique se ele pode conseguir o benefício”, acrescentou.

O juiz pode designar um perito judicial para realizar o procedimento caso a situação não seja resolvida pela via administrativa e vá parar na Justiça.

Questionada sobre a situação da faxineira Ana Maria Honório, a Secretaria de Previdência afirmou que o pedido está em processamento e deve ser acompanhado pelo Meu INSS.

Prazo médio

Cerca de 583 mil perícias estão agendadas para o próximo e dia e 253 mil pedidos auxílios-doença estão em análise, segundo dados do INSS informados pela Secretaria de Previdência.

O órgão também afirma que o prazo médio para a concessão dos benefícios do INSS, incluindo de aposentadorias, é de 66 dias.

“O prazo máximo previsto em lei é de 45 dias, contudo, conforme acordo entre o INSS, MPF (Ministério Público Federal) e DPU (Defensoria Pública da União), com homologação por parte do STF (Supremo Tribunal Federal), novos prazos foram estabelecidos para a concessão, e entrarão em vigor seis meses após a homologação”, disse.

Benefícios como aposentarias (exceto por invalidez) e o Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência ou ao Idoso (BPC) tiveram seu prazo de concessão estendido para 90 dias. Já o auxílio doença continua com prazo limite de 45 dias.

Adiantamento do auxílio doença

Durante a pandemia de coronavírus em 2020, as agências da Previdência Social foram fechadas, e o governo liberou o adiantamento do auxílio-doença no valor de um salário mínimo, R$ 1.045 na época.

Para solicitar o adiantamento, o segurado precisava enviar um atestado médico válido pelos canais do INSS. Em setembro, as perícias voltaram a ser feitas e o envio de atestado para antecipação do benefício passou a ser opcional para pedidos feitos até 30 de novembro.

Depois desse prazo, chegou ao fim o adiantamento de R$ 1.045 do auxílio-doença, cujos pagamentos terminaram em 31 de dezembro. Agora, o benefício só será liberado com perícia médica presencial.

O que fazer em caso de demora?

Se o benefício não for pago em até 45 dias após a data de apresentação da solicitação, como determina a lei, o segurado pode judicializar o pedido.

Pela via administrativa, muitos segurados aguardam meses para marcar a perícia, apesar do que manda a lei. Nessa situação, muitos não conseguem nem mesmo entrar com um recurso, uma vez que não houve contrária do INSS.

Em geral, advogados orientam que o solicitante acione a Justiça somente depois de 90 dias sem resposta do INSS. Confira abaixo algumas meneiras de fazer isso:

  • Advogado: um profissional da área do direito vai entrar com um processo contra o INSS e orientar o solicitante.
  • JEF (Juizado Especial Federal): o cidadão pode abrir uma ação sozinho, por meio de atermação, que é gratuita e aceita processos no valor de até 60 salários mínimos.

Vale destacar que casos que vão para a segunda instância, após recurso, demandarão a contratação de um advogado. Por isso, vale a pena ter um profissional acompanhando o processo desde o início.

Os valores devidos durante o período de afastamento também são um direito do trabalhador. Caso o pagamento demore a sair, ele poderá receber os atrasados se o benefício for concedido. O prazo para pagamento de retroativos é contado a partir da data do início da incapacidade.

Documentos exigidos para a perícia

  • Documentação médica que comprove a doença (atestado/laudo médico atualizado com a CID – Classificação Internacional de Doenças);
  • Documento de identificação oficial com foto;
  • CPF;
  • Carteira de trabalho;
  • Comprovantes de contribuição ou outros documentos que comprovem pagamento ao INSS;
  • Atestados, exames e relatórios médicos que comprovem a doença; e
  • Declaração informando a data do último dia trabalhado devidamente assinada pelo empregador.

Leia mais: INSS: Saiba como solicitar auxílio doença online em caso de acidente


Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário