scorecardresearch ghost pixel



Lista: 5 coisas que você deveria saber antes de fazer um Pix

Confira alguns dados importantes sobre a transferência digital mais realizada no Brasil, atualmente. Algumas dicas podem ajudar a evitar apuros.



Lançado ainda em 2020, o Pix se popularizou e hoje é difícil encontrar quem não o utilize. A facilidade, a agilidade e a ausência de tarifas para fazer transferências caíram no gosto popular.

Veja mais: Vale-gás nacional sai em dezembro para 5 milhões de brasileiros

Porém, nem tudo são flores, algumas dúvidas têm permanecido na cabeça dos usuários. Uma delas é sobre o que fazer caso o Pix seja feito para a pessoa errada. Além disso, existem outros pontos que todos deveriam saber.



Coisas que todo mundo tem que saber sobre Pix

Regulado pelo Banco Central (BC), o Pix é uma solução para transferências digitais. O dinheiro pode ser transferido imediatamente entre bancos e instituições diferentes. Assim, mais do que uma plataforma para transferência gratuita, o Pix se tornou meio de pagamento digital.

Para realizar uma transação via Pix é necessário cadastrar uma chave de acesso. A chave pode ser um e-mail, telefone, CPF ou código. Quem tiver sua chave pode transferir valores para sua conta de cadastro. Aliás, é possível ter várias chaves em contas diferentes.

1 – Lojas podem aceitar (e muitas já aceitam) Pix

Lojistas e comerciantes no geral já aceitam os pagamentos via Pix. Pela rapidez na transferência, o recurso tornou-se uma forma segura de pagar as contas. A modalidade funciona como pagamento a vista, porém por meio digital.

2 – Atenção com o QR Code

Uma das formas de usar Pix é por meio de QR Code. Independente da forma de pagar, a transação por Pix nunca solicita o download de nenhum arquivo. Preste atenção aos dados do destinatário e veja se está tudo ok. Fuja de golpes.



3 – Cobrança de tarifa

As transações por Pix são gratuitas. No entanto, é possível que seja cobrada alguma taxa após o recebimento de mais de 30 transferências. Porém, dentro deste limite não haverá, em hipótese alguma, qualquer cobrança.

4 – Chave aleatória

Quando for receber dinheiro de alguém desconhecido, prefira utilizar uma chave aleatória. O aplicativo do seu banco terá este campo para selecionar. Assim, você preserva o anonimato de seus dados como telefone, CPF e e-mail.

5 – Pix para pessoa errada

De forma prática, quando um Pix é realizado, o que acontece é que uma pessoa está “dando” dinheiro para outra. Isso não quer dizer que equívocos não possam ocorrer. Mas a ação é irreversível, depois de transferir o dinheiro, não existem meios de recuperar a quantia. Por isso, sempre preste muita atenção e confirme os dados do destinatário antes de transferir.



Segundo informações do BC, a transação via Pix pode ser evitada ou cancelada apenas antes da confirmação. Ou seja, se você inseriu a chave do destinatário, checou os dados e confirmou, não tem como reaver o dinheiro.

Por outro lado, o BC orienta a tentar negociar com o recebedor, caso tenha feito a transferência errada. A devolução é uma das funcionalidades do Pix, mas deve ser feita exclusivamente por quem recebeu o dinheiro.

Por isso, caso tenha feito um Pix errado e o recebedor não queira reaver a quantia, procure seus direitos. É indicado registrar a ocorrência e procurar por um advogado.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário