scorecardresearch ghost pixel



Pensando em se mudar? Conheça os 9 países com maiores salários mínimos

Veja a lista dos países com os maiores salários mínimos e a média de horas trabalhadas em vários cantos do mundo.



A alta inflação, o desemprego e os baixos salários fazem muitos brasileiros pensarem em novas oportunidade, até mesmo fora do Brasil. Se esse é o seu plano, veja a lista dos 10 países com os maiores salários mínimos para quem busca uma nova vida no exterior.

Leia mais: Gás, energia, juros e salário mínimo: Como fica a economia em 2022?

De longe, o Brasil está entre os países mais difíceis para se viver. O motivo é o salário mínimo, que é o segundo país com os menores valores na lista da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Brasil fica à frente apenas do México.



Maiores salários

Pelo levantamento, o salário mínimo no Brasil é um dos mais baixos do mundo. Isso muita gente já sabe. Agora vamos te mostrar quais são os países com os melhores salários mínimos para se viver e ganhar melhor.

A pesquisa teve como base o dólar, o que justifica a dificuldade de o Brasil se sair bem nessa lista. Assim, o salário mínimo médio no país foi de U$ 2,2 a hora. Fica atrás do Chile, com U$3,3/hora e da Colômbia, U$2,9/hora.

Hoje, no mundo, a Austrália é o país com o maior salário mínimo do mundo, sendo U$ 12,9 a hora trabalhada. Ou seja, quase seis vezes a mais que o que é pago no Brasil.



Além disso, a quantidade de horas trabalhadas na Austrália também é menor que no Brasil, sendo 38 horas semanais. Bem diferente do que foi registrado no México, onde os trabalhadores ficam em média 50 horas por semana nos trabalhos. No Brasil, a média é de 39,5 horas trabalhadas por semana.

Depois da Austrália, o segundo maior salário mínimo é Luxemburgo, seguido de França, Alemanha, Nova Zelândia, Holanda, Bélgica, Reino Unido, Canadá e Irlanda.

*Matéria atualizada em 02 de março de 2022 para acrescentar a fonte

Levantamento foi realizado pela plataforma CupomValido, que utilizou dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e do Bando Mundial.




Voltar ao topo

Deixe um comentário