scorecardresearch ghost pixel



Saiba se o auxílio permanente de R$ 1.200 tem chances de sair em 2022

Projeto de Lei aprovado na Comissão de Direitos da Mulher da Câmara cria benefício de R$ 1.200 para mães solo.



As mães chefes de famílias monoparentais são o foco de uma proposta em trâmite na Câmara dos Deputados. O Projeto de Lei 2099/20 prevê a criação de um auxílio no valor de R$ 1.200 por mês para mulheres que cuidam dos filhos sozinhas.

Leia mais: Campanha na conta digital do BANQI oferece R$ 10 para quem fizer PIX

O texto, que já foi aprovado na Comissão de Direitos da Mulher, tem inspiração no auxílio emergencial. Embora o objetivo seja pagar o mesmo valor das cotas duplas do programa finalizado em outubro, o benefício foi pensando como uma medida permanente.

“Para as mulheres provedoras de famílias monoparentais, a situação é ainda mais dramática, pois, em muitos casos, não contam com o apoio por parte dos pais de seus filhos e ainda assim devem sozinhas sustentar seus lares“, defende a deputada Erika Kokay, relatora do projeto.



Quem tem direito?

Se o auxílio vitalício for aprovado, terão direito a ele as mães solo que cumprem os seguintes requisitos:

  • Ter idade igual ou superior a 18 anos de idade;
  • Não possuir um cônjuge ou companheiro;
  • Ter ao menos um filho menor de 18 anos de idade;
  • Não ter emprego formal ativo;
  • Não receber benefícios previdenciários ou assistenciais;
  • Ter renda familiar mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou total de até três salários mínimos; e
  • Estar inscrita no CadÚnico.

Pagamentos começam quando?

Ainda não há previsão para liberação dos repasses, nem tampouco se sabe se o projeto será mesmo aprovado. O PL ainda precisa passar por outras comissões da Câmara antes de seguir para o Senado Federal.



Só então, se conseguir a aprovação dos senadores, será encaminhado ao presidente Jair Bolsonaro para sanção ou veto.

“Além de garantir a segurança alimentar e o atendimento às necessidades básicas das famílias, o pagamento de um benefício permanente às mulheres provedoras de famílias monoparentais pode contribuir para uma maior circulação de recursos e aquecimento da economia, uma medida que pode ajudar a reduzir o desemprego”, completa Kokay.




Voltar ao topo

Deixe um comentário