scorecardresearch ghost pixel



Por que não dá mais para fazer 18 km/l usando etanol?

Um dia já foi possível fazer uma média de autonomia bem maior do que hoje usando etanol no tanque do carro. Um VW Gol era capaz de chegar a 18 km/l rodando em trajeto misto.



Já imaginou conseguir rodar com uma média de 18 km/l usando etanol como combustível? Essa premissa parece ser apenas parte da ficção ou história de pescador. Porém, saiba que já foi possível conseguir economizar tanto, mesmo abastecendo com o famoso biocombustível da cana de açúcar.

Veja também: Lista dos carros flex mais econômicos em 2022 é divulgada pelo Inmetro

Há 40 anos, a Volkswagen criou uma competição com 520 taxistas em São Paulos (SP). Todos eles iriam dirigir o mesmo carro, um VW Gol, usando etanol. O objetivo era descobrir quais competidores conseguiriam revelar o consumo mais vantajoso na relação km/litro. A dupla vencedora conseguiu cravar uma média de 18,32 km/l.

VW provou que dá para fazer 18 km/l usando etanol

Na época, em 1982, o anúncio da fabricante informou que os competidores percorreram um trajeto de 37,2 km. O “Torneio de Economia VW Gol a Álcool” contou com 85% do circuito realizado dentro da cidade. A dúvida que fica é: por que isso não é observado nos dias atuais, diante de tanta tecnologia?



O que acontece é que naquela época não existia a política que regula a emissão de gases poluentes. A mudança fez com que o biocombustível se tornasse 30% mais “gastão” do que a gasolina. Antigamente, a diferença de um para o outro era de apenas 15%.

Renato Romio, engenheiro do Instituto Mauá de Tecnologia, explicou ao portal Uol, que nos anos 80 era mais econômico abastecer usando etanol, pois podia-se utilizar mais ar na combustão. Isso possibilitava que o álcool atingisse até 85% da mesma eficiência da gasolina. Atualmente, essa porcentagem é de 70%.

Etanol se tornou menos eficiente com o passar do tempo

O engenheiro também disse que o motor flex se tornou um novo vilão contra a eficiência do etanol. Esse fator deriva da gasolina, que precisa de uma taxa de compressão menor que a do etanol para trabalhar bem. Nessa história foi ele que saiu perdendo, mas a gasolina também, pois a taxa de compressão teve de ser intermediária. Aliás, saiba que a gasolina atual pode ser composta por até 27% de etanol.

A saída para obter motores mais propensos aos combustíveis seria voltar a oferecer carros que trabalhem exclusivamente com determinado tipo de combustível.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário