O que é crédito rotativo?

Descubra como funciona a aplicação dessa forma de crédito e porque ele pode ser perigoso em muitas situações.

Como o nome já diz, trata-se de um crédito oferecido ao consumidor quando o mesmo não efetua o pagamento total da fatura do cartão até o vencimento. Um dos exemplos mais clássicos acontece quando o cliente paga apenas o valor mínimo da conta. Nesse caso, uma porcentagem (alta) de juros incorrerá sobre o restante que não foi pago, a ser jogado na fatura do mês seguinte.

É importante mencionar que o rotativo é ativado pelo banco mesmo se houver o abatimento de valor maior que o mínimo. Ou seja, toda e qualquer quantia menor que o valor integral terá o crédito rotativo ativado. O que acontece é que a diferença que ficou para trás se transforma em um empréstimo e, em razão disso, são cobrados juros sobre a dívida.

Como funciona a cobrança do crédito rotativo?

Saiba como são feitas as cobranças do rotativo quando não há o pagamento total da fatura, além de regras para sua aplicação:

  • O crédito rotativo só pode ser utilizado por um mês. 
  • A instituição ou empresa que concedeu o cartão terá, durante esse período, a condição de analisar a situação financeira e capacidade de pagamento pelo cliente;
  • Caso o consumidor não consiga novamente quitar o valor integral da próxima fatura, a empresa pode dispor de uma nova linha de crédito, como solução mais eficaz contra um possível agravamento da dívida;
  • Para isso, é oferecido como opção o parcelamento da fatura que, nesse caso, possui encargos bem mais baixos do que o do crédito rotativo. 

Novas regras de cobrança do cartão de crédito

Desde abril de 2017, novas regras impostas pelo Banco Central envolvendo o pagamento do cartão de crédito entraram em vigor. Uma delas foi permitir o uso da tarifa apenas uma única vez por mês. Isso porque o Conselho Monetário nacional (CMN) buscou evitar que o consumidor caísse nas garras do chamado “superendividamento”.

Para se ter uma ideia, em março de 2019, a taxa média do rotativo – divulgada todo mês pelo BC – chegou a custar 298,6% ao ano. Esse valor é calculado tendo como base os dados de consumidores adimplentes e inadimplentes.

O que fazer para não entrar o crédito rotativo?

Atitudes simples associadas a comportamentos financeiros saudáveis podem ajudar o consumidor a evitar o uso do rotativo. Entre elas:   

  • Esteja sempre de olho nos gastos. Anote os valores de todas as transações com o cartão e evite gastar mais do que pode pagar;
  • Conheça as taxas de juros cobradas pelas instituições, assim será possível solicitar um cartão de crédito naquela que apresentar valores mais em conta;
  • Fique de olho nas compras parceladas, isso porque elas aparecem geralmente apenas dias antes de a fatura fechar. 
  • Procure pagar o valor integral (se possível) da fatura para evitar o cobrança do rotativo e o parcelamento posterior da diferença, que também terá outras taxas de juros embutidas.

Veja também: O que são tarifas bancárias?

Voltar ao topo

Deixe um comentário