Banco Central cria nova modalidade de empréstimo para lojistas

Instituição financeira que quiser ofertar crédito para uma empresa poderá consultar os recebíveis em uma das três registradoras autorizadas. Veja como funciona!

O Banco Central (BC) aprovou uma nova modalidade de empréstimo para lojistas, com garantia de recebíveis. Na prática, instituições financeiras que quiserem ofertar crédito poderão consultar as receitas que uma empresa tem a receber com as vendas realizadas por meio de cartão de crédito e de débito.

De acordo com o Banco Central, a aprovação da convenção formada por entidades registradoras de recebíveis de arranjos de pagamento “contribuirá para o aumento da segurança e o incremento na competição e transparência nas operações com esses recebíveis, beneficiando os lojistas na obtenção de crédito garantido por esses ativos financeiros”.

Com a medida, o lojista poderá pegar empréstimos garantidos por esses recebíveis, além de realizar operações de venda desses recebíveis. A nova modalidade entrará em vigor no dia 3 de novembro.

Como vai funcionar?

O banco que quiser oferecer empréstimo para uma empresa poderá consultar os recebíveis em uma das três registradoras autorizadas, que terão as informações compartilhadas entre si. Isso dá mais segurança ao sistema. Além disso, a instituição poderá fazer o registro de ônus e gravames nos sistemas das próprias entidades registradoras.

“Fechamos um ciclo de aperfeiçoamento das operações de crédito com recebíveis com cartão. A gente espera que a partir daí tenha mais segurança com o uso desses recebíveis e também mais competição por financiar as empresas”, afirmou o chefe do Departamento de Competição e Estrutura do Mercado Financeiro do BC, Ângelo Duarte.

Atualmente, o fluxo de recursos nos arranjos de pagamentos com cartão de crédito e débito é de R$ 1,8 trilhão. Para o chefe do Departamento de Regulação do BC, João André Pereira, o potencial de crescimento desse mercado “é imenso”.

Veja mais: Cartão BrasilCard: O cartão sem burocracia para lojistas e consumidores 

Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário