scorecardresearch ghost pixel



Como consultar meu CPF para saber se está negativado?

Ter o nome negativado no mercado é uma dificuldade e tanto para os consumidores. A consulta do CPF pode ser feita de forma gratuita.



Quem está com o nome negativado sabe a dificuldade que é para conseguir crédito no mercado, já que o nome fica com várias restrições no mercado. Por isso, conferir se o seu Cadastro de Pessoa Física (CPF) está ou não negativado é o primeiro passo para resolver as pendências.

Leia mais: Para facilitar pagamentos, Nubank libera R$ 200 aos clientes; Veja como usar

Com o nome sujo no mercado, o consumidor não consegue nem mesmo a abertura de crediário no comércio. Em primeiro lugar, antes de qualquer liberação, as empresas fazem a consulta dos CPF para saber sobre a vida financeira dos clientes.



Como consultar se o nome está negativado?

Quando o nome está negativado, o CPF fica incluído nos órgãos de proteção ao crédito como o SPC e Serasa. Dessa forma, a vida financeira do cliente fica comprometida até que ele consiga limpar o nome no comércio.

Para consultar se o seu nome está negativado é simples e gratuito. A consulta pode ser feita por meio do site da Serasa. É feito um cadastro, que gera login e senha.

Depois disso é só acessar a aba “Meu CPF” e fazer a consulta. Se o seu nome estiver negativado existe apenas uma saída: quitar as dívidas.



Isso porque o principal motivo de nomes negativados é o descontrole no orçamento, com dívidas e contas pagas em atraso.

Além disso, em casos de dívidas com bancos, é preciso tentar resolver as pendências o quanto antes. Já que os juros podem ser altos. Isso sem contar que os bancos também podem cancelar talões de cheque e demais serviços ligados ao crédito, como o cheque especial.

A consulta do CPF é importante também para que o consumidor fique de olho se todas as informações estão corretas. Ou seja, se as dívidas de fato existem. Diante de qualquer erro, como cobranças indevidas, o consumidor tem direito à indenização por danos morais.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário