scorecardresearch ghost pixel



Comprar um carro novo exige planejamento: fila de espera ainda chega a 180 dias

Saiba quais são os modelos que estão com maior tempo de espera para entrega.



Há um tempo atrás trouxemos um texto falando sobre a dificuldade que as fabricantes de carros estavam tendo por causa do aumento do valor e de peças e a logística das fabricantes das peças em entregas para que os carros fossem montados.

Veja mais: Após atualização, piloto-automático da Tesla fica com bug perigoso

Neste vamos falar da demora da entrega dos automóveis pelas montadoras, que está chegando a 180 dias. As montadoras colocam a culpa no aumento do dólar e também na pandemia, já que antes o valor das peças era menor e a logística funcionava melhor.



O Ônix, que foi o carro mais vendido no ano passado, sofreu uma queda nas suas vendas, já que ficou cinco meses sem ser produzido por falta de peças. Algumas revendas esperam a chegada de alguns modelos somente para o mês de fevereiro de 2022.

Tanto a Fiat Strada quanto a Toro são os carros mais vendidos nesse ano de 2021. A Fiat em seu site anunciou que o prazo de entrega de algumas versões da picape é de 120 dias, e nas versões tipo Volcano o prazo de entrega é ainda maior.



A Toro está com uma demora de até seis meses para a entrega aos seus consumidores. Para a versão Ranch, uma das opções de topo com motor a diesel, a espera é de 180 dias, o que a companhia confirma no seu site, além das concessionárias ratificarem o prazo.

O novo visual do Creta não tem sido problema para os que gostam da marca. O modelo vem vendendo bem, só que o prazo de entrega tem chegado a 120 dias. No lançamento, a Hyundai disse que esperava maior procura pelas versões com o 1.0 turboflex.

Com pouco tempo de mercado, o Nivus é mais um modelo que continua a ser procurado e vem sofrendo com a falta de exemplares nas concessionárias. Vale lembrar que o Nivus acabou de entrar na linha 2022 e perdeu até central multimídia na versão de entrada por causa da falta de semicondutores.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário