scorecardresearch ghost pixel



Pensão por morte do INSS em 2022: Veja como fica

A pensão por morte é um direito dos dependentes do segurado, mas o cálculo do pagamento teve mudanças com a reforma da previdência.



Depois da Reforma da Previdência, em 2019, o cálculo da pensão por morte mudou. O valor do benefício previdenciário é pago aos dependentes da pessoa falecida,

Leia mais: Como consultar meu CPF para saber se está negativado?

Primeiramente é importante destacar que a pensão é resultado da aposentadoria para quem já recebia o benefício, ou também no caso de o segurado não estar aposentado quando faleceu.



Requisitos da pensão por morte

Para que seja mantido o direito de a família receber a pensão por morte do segurado que tenha falecido é preciso cumprir alguns requisitos. Primeiramente, o falecimento do titular. Depois, outra exigência é que o segurado estivesse com o INSS em dia. Por último, a pensão por morte só é liberada aos dependentes do titular.

De acordo com a Previdência, diferentemente do que acontece em outros benefícios, no caso da pensão por morte não existe um tempo mínimo de contribuição para ter direito à pensão.



Apesar disso, o INSS segue um critério para o pagamento da pensão. Dessa forma, se o segurado falecido não tiver contribuído por pelo menos 18 meses, o dependente receberá somente 4 meses de pensão.

Nesse sentido, a pensão por morte é vitalícia nos casos em que o segurado tinha mais de 18 meses de contribuição. Assim como em situações de dependentes com 45 anos ou mais. Outra exigência é de que o casamento ou a união estável seja de pelo menos 2 anos.



Em casos de dependentes com menos de 45 anos, o INSS também segue alguns critérios específicos. O pagamento da pensão é liberado se o dependente for inválido ou com deficiência.

Vale reforçar ainda que também tem direito a pensão por morte pelo prazo de 3 anos se o dependente tiver 22 anos ou menos. Além disso, o pagamento pode chegar ao período de 20 anos de pensão se o dependente tiver entre 42 e 44 anos.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário