scorecardresearch ghost pixel



Melhor filme espanhol de 2021 surpreende do início ao fim e está na Netflix

Muita ação, perseguição, romance e drama, esse é o tempero que dá destaque ao filme “As Leis da Fronteira”



O novo lançamento da Netflix tem impressionado de forma muito positiva o público da plataforma de streaming. O longa-metragem espanhol “As Leis da Fronteira”, chegou ao catálogo da plataforma esta semana e tem como diretor Daniel Monzón e roteirista Jorge Guerricaechevarría. O filme conta a história de Nacho, um menino que não consegue se encaixar e encontrar paz.

Leia também: Criativo e inovador filme da Netflix, Corrente do Mal tem quase 100% de aprovação

Nacho sofre bullying de um grupo de garotos com muita frequência, e ao mesmo tempo está na tentativa de se entender e se libertar. O sentimento complicado do personagem é muita bem expressado pelo ator (Marcos Ruiz), que faz uma excelente atuação e passa muita verdade. É possível inclusive, sentir a dor do personagem nos primeiros momentos do filme.



Tudo, porém, muda quando Nacho faz amizade na casa de jogos com dois completos estranhos, Tere (Begoña Vargas) e Zarco (Chechu Salgado). Com cara de que vão arrumar confusão, Nacho se aproxima dos dois com o objetivo de entender o que está acontecendo e acaba fazendo parte da “equipe”.

Os assaltos começam pequenos e vão se tornando cada vez maiores. Este é um filme que contém muitas nostalgias e memórias que não são tão boas, principalmente por conta do sofrimento enfrentado pelo personagem de Nacho em quase todo o filme.

Ele demonstra uma paixão por Tere, que está comprometida com Zarco, o romance no entanto, parece ser o tempero especial que faltava no filme. Por outro lado, quem se destaca também é Monzón, com a mesma queixa de não conseguir se encaixar em nenhum gênero.



O filme passa por vários gêneros cinematográficos, o drama, a ação e o romance. Existem cenas de perseguição, flerte ente Nacho e Tere, e tudo isso muito bem dirigido e dosado. É importante destacar que o longa foi inspirado no livro de Javier Cercas, do recente Terra Alta.

No fim, Nacho nos faz refletir sobre o que vivemos e deixamos de viver, pelas amizades sejam elas certas ou erradas e pelos romances que veem e ficam em nossos corações.




Voltar ao topo

Deixe um comentário