scorecardresearch ghost pixel



Saiba quem terá direito à cota extra do auxílio emergencial de até R$ 3 mil

Ministério da Cidadania estima que cerca de 1,2 milhão de famílias serão contempladas com uma nova parcela.



O Ministério da Cidadania deve pagar uma cota extra do auxílio emergencial para 1,283 milhão de pessoas. Esse grupo é formado por homens chefes de famílias monoparentais que não receberam o benefício dobrado em 2020.

Leia mais: INSS: Conheça o novo valor de aposentadorias e pensões para 2022

Quando o auxílio foi criado, as mães solo tiveram direito a duas cotas, totalizando R$ 1.200 por mês. Contudo, os homens que estavam na mesma situação não receberam em dobro, embora o Congresso Nacional tenha derrubado o veto presidencial que impedia os pagamentos.



Agora, a expectativa é de que esses pais solteiros recebam os valores retroativos. Considerando que foram cinco parcelas de R$ 600, a cota extra do auxílio emergencial deve chegar a R$ 3 mil por pessoa.

Não se trata de uma prorrogação do programa, que foi encerrado em outubro. Essa foi apenas a forma encontrada pelo governo para repassar o valor devido a essas famílias.

Como será feita a seleção?

Para receber, o homem precisa ser responsável por pelo menos uma pessoa menor de 18 anos de idade, além de não pode ter cônjuge ou companheira(o). A pasta da Cidadania também fará uma verificação para checar se houve concessão de benefício de cota dupla para outra beneficiária.



Os repasses serão feitos por meio do aplicativo Caixa Tem, onde a situação do benefício poderá ser consultada. Ainda não há um calendário oficial para os pagamentos.

Devolução

Mais cedo neste mês, o governo enviou mensagens de texto para milhares de beneficiários que receberam o auxílio emergencial indevidamente. O SMS solicita a devolução dos valores à União.

“Este é o último lote de mensagens a ser enviado no ano de 2021. O objetivo é alcançar um novo público, formado por pessoas identificadas pelos órgãos de controle como indicados a procederem à devolução de recursos do Auxílio Emergencial”, disse o secretário de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI) do Ministério da Cidadania, Ronaldo Navarro.




Voltar ao topo

Deixe um comentário