scorecardresearch ghost pixel



Saque PIS/Pasep: Caixa libera R$ 23 bilhões para 10 milhões de trabalhadores

Em caso de beneficiários já falecidos, os recursos podem ser resgatados pelos herdeiros. Veja como consultar e saber se há dinheiro liberado.



A Caixa Econômica Federal anunciou que R$ 23 bilhões do fundo PIS/Pasep estão disponíveis para saque. Ao todo, cerca de 10 milhões de pessoas podem resgatar o montante parado há algum tempo. O que acontece é que poucas pessoas sabem que têm direito aos recursos.

Leia mais: Revisão do FGTS pode liberar média de R$ 10 mil a trabalhadores

O montante acumulado diz respeito às cotas do PIS/Pasep, destinadas a quem trabalhou com carteira assinada entre os anos de 1971 e 1988. A regra inclui tanto funcionários de empresas privadas quanto públicas. Em caso de beneficiários já falecidos, os recursos podem ser resgatados pelos herdeiros.



Portanto, o cidadão que atuou nesse período pode ter valores a receber. Lembrando que o benefício é diferente ao tradicional PIS/Pasep pago anualmente pelo governo. As cotas, por outro lado, só podem ser resgatadas uma única vez.

Como descobrir se tenho direito às cotas do PIS/Pasep?

Para saber se têm direito ao benefício, os trabalhadores devem entrar em contato com a Caixa, pois desde junho de 2020, o saldo do extinto fundo acabou sendo vinculado ao FGTS. Os canais de atendimento incluem o aplicativo do FGTS, site FGTS e Internet Banking.



Os trabalhadores ainda vivos podem utilizar o Cartão Cidadão mais senha para sacar o benefício em terminais de autoatendimento, lotéricas e correspondentes Caixa Aqui. Nessa situação, o valor é de até R$ 3 mil.

Já aqueles que não possuem o cartão cidadão, ou vão sacar quantias acima de R$ 3 mil, o resgate das cotas do PIS/Pasep deve ser feito presencialmente nas agências da Caixa. O titular deve se apresentar munido de documento oficial com foto.

Em relação aos herdeiros, será preciso apresentar a certidão de óbito do trabalhador falecido, além da declaração de dependente habilitado à pensão por morte, com emissão pelo INSS. Outras opções são por meio de um alvará judicial designando o beneficiário ao saque ou através de escritura pública de inventário.




Voltar ao topo

Deixe um comentário