scorecardresearch ghost pixel



Revisão do FGTS pode liberar média de R$ 10 mil a trabalhadores

Pedido de correção do saldo acumulado no fundo é uma opção para substituir a defasagem da Taxa Referencial (TR), zerada há alguns anos.



Os trabalhadores que possuem saldo no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) podem conseguir uma grana extra no valor de R$ 10 mil após a chamada “Revisão do FGTS“. Quanto maior o saldo e tempo de trabalho na mesma empresa, maior será a vantagem do beneficiário.

Leia mais: Auxílio Brasil pode pagar R$ 700 em janeiro com retroativos

O pedido de correção do saldo acumulado no fundo é uma opção para substituir a defasagem da Taxa Referencial (TR), zerada há alguns anos. A troca da TR por outro índice mais em conta e de maior rentabilidade depende de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).



Quem pode solicitar a revisão do FGTS?

Poderão solicitar a revisão do FGTS todo os trabalhadores que exerceram alguma atividade com carteira assinada desde 1999. Mesmo aqueles que já retiraram o dinheiro poderão entrar com pedido na Justiça. Isso porque, antes mesmo de sacar o saldo, as  perdas causadas pela correção da Taxa Referencial (TR) abaixo da inflação já haviam ocorrido.



Na prática, quanto mais tempo de carteira assinada em um mesmo emprego e altos salários, maior será a revisão do FGTS. Por outro lado, ela não será vantajosa para quem trocou de emprego com frequência e não possui um saldo significativo em conta.

O STF já informou que o uso da TR para a correção do FGTS é inconstitucional, pois ela está dando prejuízo ao trabalhador. O valor já pode ultrapassar os R$ 300 bilhões. Por isso a necessidade da sua troca por outro índice que acompanhe as subidas da inflação.

Após adiar a decisão em maio deste ano, o STF ainda não marcou uma nova data para definir a troca dos índices. Segundo especialistas, a melhor alternativa seria a mudança da TR pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).




Voltar ao topo

Deixe um comentário