scorecardresearch ghost pixel



Conta de luz vai ficar ainda mais cara em 2022; entenda o porquê

A conta de luz deve pesar ainda mais no bolso do consumidor em 2022 por conta de um decreto publicado pelo governo. Entenda o que muda.



A bandeira tarifária continua em escassez hídrica, mesmo depois de toda a chuva em vários locais do Brasil. Choveu bastante, só que não foi suficiente para encher os reservatórios. Dessa forma, prevendo novos períodos sem água, a bandeira tarifária vai continuar em escassez. Logo, a energia deve ficar ainda mais cara em 2022.

Leia mais: Consumidor poderá escolher seu próprio fornecedor de energia em dois anos

Se não bastasse isso, o Governo Federal publicou no Diário Oficial um decreto que permite que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) defina empréstimos para as distribuidoras de energia no Brasil.



Conta de luz mais cara

A medida, segundo o Governo, é para amenizar as perdas com a falta de chuvas ao longo de 2021. Com esse empréstimo, o impacto maior será para os consumidores de energia.

Pela estimativa apresentada até agora, os empréstimos devem chegar a R$ 6 bilhões. Inicialmente, a previsão era de R$ 15 bilhões. A redução foi possível graças às chuvas no final de dezembro e começo de janeiro em boa parte do Brasil, reduzindo os prejuízos das distribuidoras.

De acordo com o decreto do governo, o empréstimo vai ser liberado por conta dos gastos adicionais das distribuidoras, que precisaram comprar energia das termelétricas.



Ainda pela justificativa do decreto, mesmo com a bandeira tarifária de escassez hídrica, não foi o bastante para arcar com esses custos adicionais de produção de energia.

Tal empréstimo será feito por meio das instituições financeiras. Sendo que caberá à Aneel fazer todo o cálculo de custos para a produção de energia, além de definir os valores que serão liberados para as distribuidoras.

A previsão é de que o empréstimo comece a ser liberado para as distribuidoras já no mês de março. Com isso, a previsão é de que pese mais no bolso dos consumidores finais, com a conta de energia ainda mais cara. Não só em 2022, como também nos anos seguintes, segundo as estimativas iniciais.




Voltar ao topo

Deixe um comentário