scorecardresearch ghost pixel



Dores nas costas é segunda maior causa de afastamento do trabalho

As dores nas costas são a segunda maior causa de afastamento do trabalho no Brasil. Confira quais são os direitos do trabalhador.



Um problema sério e que atinge boa parte dos trabalhadores brasileiros: as dores nas costas! Essa é hoje a segunda maior causa de afastamento do trabalho no Brasil, só perde para os positivados da Covid-19. Só para se ter uma ideia, de janeiro a julho do ano passado mais de 55 mil trabalhadores pediram afastamento por conta das fortes dores.

Leia mais: BRF abre 150 vagas de trabalho para contratação imediata

Os dados são do Ministério do Trabalho. E os motivos que causam as dores nas costas são os mais diversos, desde fatores como a pré-disposição genética até mesmo a má postura no ambiente de trabalho. Com isso, muitos trabalhadores questionam quais são os direitos quando surgem as dores nas costas.

Dores nas costas no trabalho

A primeira dica é sempre prevenir as dores. A prática de exercícios físicos, assim como a consulta médica a cada dois anos, no máximo, podem evitar que esse problema surja.



As dores nas costas atrapalham a qualidade de vida e pode até mesmo afastar os funcionários das atividades do dia a dia. A situação fica ainda pior quando as dores acontecem justamente no ambiente de trabalho, por esforço repetitivo ou má postura.

Nesses casos, a empresa tem que se responsabilizar pelos danos causados ao trabalhador, segundo determina a lei. É a chamada “doença ocupacional”. Ou seja, resultado da atividade do trabalhador.
Para que a empresa seja responsabilizada é preciso confirmar, por meio de exames, que as dores nas costas foram provocadas pela atividade exercida na empresa.

Em alguns casos, quando existe a incapacidade total de retorno ao trabalho, a Justiça pode determinar o pagamento da pensão vitalícia. Por isso é essencial que o trabalhador passe por uma consulta médica para provar o problema.

Nesses casos o trabalhador pode, por exemplo, garantir o auxílio-doença e outros benefícios. Por isso cada caso precisa ser acompanhado de maneira particular.




Voltar ao topo

Deixe um comentário