scorecardresearch ghost pixel



Apps de compra como a Shopee serão taxados em 60%? Veja o que diz Bolsonaro

Mandatário falou sobre o assunto em seu perfil oficial no Twitter. Ministro da Economia pensa o contrário.



Depois de grandes empresários solicitarem ao governo federal a taxação de imposto de sites de aplicativos de compra internacional – como a Shopee, AliExpress e Wish – muito tem se falado sobre as reais chances de isso acontecer. Para colocar um fim às dúvidas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) falou recentemente sobre o assunto.

Leia mais: Governo sinaliza nova liberação do Auxílio Emergencial em 2022? Entenda possibilidade

Segundo o mandatário, não será assinada nenhuma medida que crie imposto para sites e aplicativos de compra internacional. A decisão foi divulgada pelo presidente no último sábado, 21, por meio de publicação no seu perfil no Twitter. Confira:

O chefe do Executivo complementou ainda dizendo que, em casos de irregularidade neste tipo de serviço, a saída precisa ser a fiscalização, ao contrário do aumento de impostos, como era previsto.



Equalizar o jogo

A fala do presidente Jair Bolsonaro vai contra a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes. Para o executivo, a implementação do “digitax” – nome atribuído ao imposto para compras digitais – deve ser uma alternativa para “equalizar o jogo”.

Durante participação no seminário “Perspectivas econômicas do Brasil”, Guedes foi questionado a respeito do tema. Como resposta, o ministro disse que sua equipe está atuando na construção de um imposto digital em parceira com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“A China é capitalismo selvagem. Está praticando Adam Smith: passa por baixa da aduana, isso é século XVIII, não tem salário mínimo lá”, completou o ministro.



Para Guedes, o chamado “camelódromo virtual” já é realidade e são encontradas diversos tipos de fraudes. A solução, de acordo o chefe da pasta da Economia, está no digitax, como forma de balancear o mercado das vendas digitais. “Não sei como será feito. Tem países querendo jogar imposto muito alto. Vamos ter que entrar nisso”.

Vale reforçar que a mudança nessa regra partiu de uma demanda de empresários brasileiros, com liderança de Luciano Hang, dono da rede Havan.

Por fim, caso a nova tributação entre em vigor e seja editada pelo governo, todos os produtos comprados em sites e plataformas internacionais começariam a ser taxados em 60%. Hoje em dia, a cobrança se aplica apenas em casos de transações que ultrapassem o valor de US$ 50 – cerca de R$ 250 na cotação atual.




Voltar ao topo

Deixe um comentário