scorecardresearch ghost pixel



Prefeitos vão monitorar o preço dos combustíveis com teto do ICMS

Os prefeitos vão monitorar o preço que será pago pelos motoristas depois do teto do ICMS. Eles querem saber quem vai pagar a conta e se haverá economia.



Com a aprovação do limite para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, os prefeitos brasileiros anunciaram que vão monitorar os preços nos postos do país. A perda prevista é de R$ 80 bilhões em arrecadação das cidades e estados.

Leia mais: Pagamento do 2º lote de restituição do IR tem data definida; veja qual

A decisão foi anunciada por meio da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). O monitoramento quer saber se de fato o teto de 17% vai resultar em redução no preço do litro dos combustíveis. Caso contrário, o entendimento é que apenas os estados e municípios serão prejudicados.



Prefeitos vão monitorar os postos, diz CNM

O teto do ICMS é uma proposta do governo federal. É a grande tentativa da equipe de Jair Bolsonaro para diminuir o preço dos combustíveis em ano eleitoral.

Por isso, o que a CNM quer saber é quem pagará a conta pelo teto do ICMS. “A fim de verificar se essa redução de fato chegará à população brasileira, a CNM convocou os gestores municipais a monitorarem os preços praticados nos postos antes e depois da mudança da alíquota”, diz o comunicado da Confederação.

Isso porque, na visão da CNM, a proposta do governo não passa de uma “medida eleitoreira”. Além disso, a Confederação apontou que a perda para os estados e municípios deve ser bilionária. Cerca de R$ 80 bilhões por ano. Até agora o que se sabe é que a redução nas bombas não será imediata.



Primeiro porque as distribuidoras têm estoques de combustíveis. O texto foi aprovado pelos deputados e agora seguiu para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Apesar do teto do ICMS, a medida não é capaz de conter a disparada no preço do combustível. Ou seja, o litro pode continuar em alta, por conta do valor do barril de petróleo no mercado internacional.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário