Taxa de câmbio

Saiba como funciona e entenda melhor como ela pode afetar o orçamento de uma viagem internacional.

Quando o assunto é mercado financeiro, surgem inúmeras palavras desconhecidas em meio a uma infinidade de termos específicos da área. O fato é que para não acabar perdendo dinheiro ou fazer um mau negócio, é importante saber mais sobre essas nomenclaturas.

Uma delas é a taxa de câmbio. Comum em termos relacionados à economia, ela influencia diretamente o mercado e a carteira de investimentos. 

Afinal, o que é taxa de câmbio?

Basicamente, a taxa de câmbio é o preço de uma moeda estrangeira em relação ao valor da moeda nacional, no caso do Brasil, o real. Ela representa o custo que uma moeda tem em relação à outra. 

Dessa forma, é possível comparar a taxa de câmbio entre o real e o dólar, entre a libra e o iene, e assim por diante. Ela é responsável por determinar quanto precisamos ter para comprar o dinheiro de um outro país. 

Por exemplo: se um brasileiro escolhe os Estados Unidos como destino das próximas férias, ele precisará converter o real em dólar. Se a cotação estiver a R$ 5,76, o valor representa o preço que será pago para adquirir uma única unidade da moeda americana, ou seja, U$ 1,00. 

Outra função da taxa de câmbio envolve as negociações comerciais e transações entre os países. Um exemplo são as operações de compra e venda de moeda, conhecido como câmbio comercial, além do câmbio turismo, no caso de viagens ao exterior.

As taxas de câmbio têm caráter nominal, que representa o custo de uma moeda em relação à outra; real, em que os valores de aplicação tem como base a correção dos índices internos e externos da inflação; e a efetiva, que leva em conta o grau de interferência de um determinado país durante as transações comerciais. 

Como é calculada a taxa de câmbio?

São inúmeras as razões que podem aumentar ou diminuir a taxa de câmbio de uma moeda estrangeira em relação à outra. Contudo, a principal delas tem a ver com a oferta e a demanda. A exemplo, o dólar, fortemente valorizado em transações comerciais entre países de todo o mundo. 

Fatores econômicos e políticos também são cruciais no momento de definir o potencial de uma moeda, podendo torná-la mais forte ou mais fraca. O resultado acaba influenciando no preço final da taxa de câmbio.

Além dos fatores mencionados, a taxa de câmbio é definida com base nos regimes cambiais dos países. Eles são responsáveis por estabelecer a maneira pela qual ela será calculada. Divididos em três, os regimes podem ser:

  • Fixo: determina-se um valor fixo de uma moeda estrangeira em referência à moeda nacional. Assim como o nome sugere, ele não sofre alteração. Esse regime é bastante utilizado para estabilizar o surgimento de uma hiperinflação e eliminar o risco cambial, gerando perdas sérias a investimentos, por exemplo. O governo, para mantê-lo, compra e vende a própria moeda a um preço pré-fixado.
  • Flutuante: o câmbio é estabelecido pelo próprio mercado, que se autorrregula e controla o preço da moeda, sem a interferência direta do governo. Ele funciona com base na lei da oferta e da procura. 
  • Atrelado: atua como uma junção do câmbio fixo e flutuante. Isso significa que a taxa de câmbio, ou seja, o preço da moeda, pode variar conforme a oferta e a demanda, mas sempre dentro das faixas estabelecidas pelo governo. 

Qual a diferença entre taxas de compra e venda?

Sabia que para comprar uma moeda ou vendê-la as taxas de câmbio aplicadas são diferentes? Se uma pessoa deseja comprar moeda estrangeira, seja em bancos, casa de câmbio ou em instituições autorizadas, a transação será baseada na taxa de venda. 

Na situação contrária, em que uma instituição deseja comprar a moeda estrangeira, a taxa aplicada será a de compra. De maneira geral, a taxa de venda acaba sendo mais alta que a de compra, assim como acontece nos empréstimos bancários, em que os juros cobrados serão maiores que os pagos em um investimento em CDB, por exemplo. 

E o que é a PTAX?

Trata-se da taxa de câmbio de referência, não obrigatória, comumente utilizada pelas instituições financeiras que trabalham com câmbio. Ela é calculada diariamente pelo Banco Central (BC), tendo como base a média as taxas de compra e venda de instituições e financeiras. 

A partir das cotações, o BC estabelece uma taxa que funciona como uma média em operações de compra e venda de certas moedas, como dólar e o euro, ao longo do dia no Brasil. Isso significa que a PTAX está ligada diretamente às oscilações das moedas.

Comprando moeda estrangeira

Na hora de comprar moeda estrangeira, é comum se confundir sobre os valores das taxas de câmbio. Ainda mais para quem vai viajar. O que acontece é que, além dos preços de compra e venda, há também as chamadas cotações comerciais e de turismo

A primeira, comercial, é utilizada pelo mercado como referência para transações entre empresas e países. Ela é responsável pelas operações de importação ou exportação. Tomando o dólar como exemplo, se ele estiver com preço alto, quem exporta lucra mais e quem importa acaba sendo prejudicado. 

Em relação a segunda, voltada para o setor do turismo, é comum para quem pretende viajar para o exterior. Nesse caso, a taxa a ser cobrada é definida de acordo com a cotação comercial do dinheiro do país de origem. Devido a custos extras, relacionados à logística, importação, segurança, estoque da moeda, além de impostos, o câmbio de turismo acaba sendo mais caro que o comercial. 

Sendo assim, ao pensar em ir para uma viagem fora do país, o consumidor deve ficar atento ao Valor Efetivo Total (VET), que inclui todos os custos e a taxa de câmbio, evitando uma eventual falta de dinheiro durante o passeio.

Veja também: Cartão de crédito no exterior: Como funciona, quando usar e taxas

Taxa de câmbio
Avalie
Voltar ao topo

Notícias relacionadas

Deixe um comentário