Nome limpo no SPC e Serasa depois de 5 anos? Mito ou verdade?

Situação de inadimplência e score baixo impedem acesso a serviços de empréstimo, financiamentos e emissão de cartão de crédito.

Os serviços de proteção ao crédito – SPC, Serasa e Boa Vista – por meio de um banco de dados, armazena informações de adimplência ou inadimplência de pessoas físicas ou jurídicas. Lojas e financeiras constantemente realizam consultas de análises de crédito (pelo CPF ou CNP do cliente) antes de disponibilizar serviços de empréstimo, financiamentos ou emissão de cartão de crédito.

Com a busca é possível identificar pendências que estejam associadas ao usuário. Se constatado a existência de dívidas vencidas, as chances para margens de crédito caem drasticamente.

Quanto tempo duram as restrições?

Por lei, após cinco anos de dívida ativa, o devedor tem o CPF retirado da lista restrições. No entanto, a cobrança continua existindo, tais como eventuais processos e ações jurídicas.

Caso existam débitos em outras empresas, a lógica permanece a mesma: cinco anos para a remoção do sistema de proteção ao crédito. Por isso, usuários com mais de uma dívida têm mais dificuldade em limpar o nome.

É importante reforçar que, mesmo com a retirada dos dados da situação de restrição ao crédito, a dívida continua existindo, podendo prescrever em crime.

Negativado? Saiba como sair dessa situação

Imprevistos acontecem e todos estão sujeitos à impasses financeiros. Em caso de já estar negativado, o usuário pode optar por soluções simples e rápidas disponíveis no mercado.

O Feirão Serasa Limpa Nome é um ótimo exemplo. Durante todo o mês de novembro, ações de negociação entre empresas e devedores oferecem até 98% de desconto na quitação de dívidas. Segundo dados do Serasa, atualmente, cerca de 63,2 milhões de brasileiros estão em situação de inadimplência.

Para informações sobre débitos vencidos e empresas parceiras, acesso site oficial do evento.

Leia também: Empréstimo em 24 hrs: Conheça o crédito sem consulta ao SPC/Serasa da Super Conta BMG

Voltar ao topo

Deixe um comentário