Calcule o novo valor de seu benefício INSS e os descontos para 2020

Com a correção, o pagamento de contribuição não poderão ser inferiores a R$ 1.045 nem superiores a R$ 6.101,06.

Benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) sofrerão reajustes de 4,48%. Com a correção, o pagamento de seguridades não poderão ser inferiores a R$ 1.045 nem superiores a R$ 6.101,06. A portaria que define o tema foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta terça-feira, dia 11 de fevereiro.

O reajuste acontece após a segunda alteração do salário mínimo de 2020, de R$ 1.039 para R$ 1.045. Para definir o primeiro valor, o governo usou a previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) referente a dezembro de 2019, que estava em 0,62%. Com o resultado do índice, o valor de todo o ano somaria 3,84%.

No entanto, o INPC, que agora é responsável pela correção do mínimo, ficou em 4,48%. Desta forma, o reajuste do salário mínimo ficaria abaixo da inflação.

Com a nova informação do índice, levantada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 14 de janeiro, o governo decidiu elevar o valor do mínimo para a casa dos mil, chegando a R$ 1.045.

Confira também: Calculadora do INSS: Descubra com quantos anos poderá se aposentar

Alteração nos valores de benefícios

Com o reajuste, alíquotas da Previdência de servidores também irão mudar. O mesmo acontece com o pagamento de pensões especiais pagas às vítimas da síndrome da talidomida, às pessoas atingidas pela hanseníase e àquelas que recebem Benefícios de Prestação Continuada (BPC) – que são benefícios pagos pelo INSS.

As faixas de contribuição ao INSS dos trabalhadores da iniciativa privada com carteira assinada também sofreram os reajustes.

  • Reajuste dos benefícios

O aumento correspondente ao valor de 4,48% é válido para os benefícios que recebem acima do salário mínimo. Além disso, é preciso que tenham começado a receber o valor até janeiro de 2019. Após o tempo, o reajuste diminui conforme a inflação do mês. Confira abaixo o reajuste de acordo com a data de início do recebimento do benefício:

  • Até janeiro de 2019 – reajuste de 4,48%
  • Até fevereiro de 2019 – reajuste de 4,11%
  • Até março de 2019 – reajuste de 3,55%
  • Até abril de 2019 – reajuste de 2,76%
  • Até maio de 2019 – reajuste de 2,14%
  • Até junho de 2019 – reajuste de 1,99%
  • Até julho de 2019 – reajuste de 1,98%
  • Até agosto de 2019 – reajuste de 1,88%
  • Até setembro de 2019 – reajuste de 1,76%
  • Até outubro de 2019 – reajuste de 1,81%
  • Até novembro de 2019 – reajuste de 1,77%
  • Até dezembro de 2019 – reajuste de 1,22%
  • Contribuição

De acordo com o INSS, o reajuste incorre também sobre as faixas de contribuição do INSS dos trabalhadores empregados, domésticos e trabalhadores avulsos.

Desta forma, aqueles que recebem até R$ 1.830,29 tem uma alíquota de contribuição no valor de 8%. Em contrapartida, aqueles que recebem valores entre R$ 1.830,30 e R$ 3.050,52 têm uma alíquota de 9%.

O pagamento de 11% de contribuição será para aqueles que recebem valores entre R$ 3.050,53 e R$ 6.101,0 – que é o teto. Aqueles trabalhadores que têm a garantia de recebimentos acima do teto contribuem para Previdência como se recebessem R$ 6.101,06.

Devido a Reforma da Previdenciária, promulgada em 2019, as taxas das alíquotas serão alteradas a partir de março de 2020. Com isso, as alíquotas passarão a ser aplicadas da seguinte forma:

  • Até R$ 1.039,00: 7,5%
  • De R$ 1.039,01 R$ até 2.089,60: 9%
  • De R$ 2.089,61 até R$ 3.134,40: 12%
  • De R$ 3.134,41 até R$ 6.101,06: 14%

Confira também: Receba R$ 1.045 do INSS sem nunca ter contribuído. Saiba como

Voltar ao topo

Deixe um comentário