Tributos nacionais: Descubra quando o seu carro deixa de pagar IPVA

Alguns automóveis não são obrigados a pagarem o IPVA, devido todos os anos pelos proprietários de veículos. Dinheiro é aplicado na manutenção de vias.

Os brasileiros pagam diversos impostos, seja nas compras, sobre a renda, o imóvel e até mesmo o automóvel. Entre eles, há o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Esse tributo deve ser pago todo os anos pelos condutores para o governo.

Os seus recursos são empregues para manutenção das ruas e estradas, além da promoção de projetos de conscientização e trabalho de segurança no trânsito, entre outros.

Porém, nem todos devem esse imposto. Os carros usados, com certo período de uso, são dispensados do pagamento do IPVA.  No entanto, esses valores variam conforme cada estado. Entenda um pouco mais!

Isenção de IPVA

Todas as unidades federativas no Brasil possuem regras próprias, que determinam qual o tempo em que o automóvel não precisará mais pagar o IPVA. Mais uma vez, a idade do veículo muda de estado para estado.

Por exemplo, vejamos dois estados que adotam a regra de formas distintas. A princípio, o estado de São Paulo oferece isenção do pagamento do IPVA para todos os carros com 20 anos ou mais, desde o seu lançamento.

Assim, os proprietários paulistas dos automóveis com mais de duas décadas de aniversário ficam livres de mais um tributo. É, portanto, um alívio no bolso para pagar outra conta.

Depois da grande metrópole brasileira, podemos trazer para demonstração o estado de Minas Gerais. No caso dos órgãos mineiros, a concessão do desconto é ainda maior conforme o passar dos anos.

Sendo assim, agora que você sabe que cada local possui normas específicas, pode verificar no Detran da sua cidade. Tendo ciência de que você pode ter um carro isento do IPVA, talvez possa ser um incentivo a ir em procura do seu ou trocar o que já tem, se livrando de um gasto de todos os anos.

Veja ainda: IPVA atrasado? Saiba como parcelar em até 10 vezes no boleto

Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário