scorecardresearch ghost pixel

Bolsonaro tem planos de trazer de volta auxílio emergencial em 2021 por meio de PEC dos gatilhos

Presidente pode aprovar PEC Emergencial para abrir espaço no orçamento da Uni]ao e renovar o benefício para este ano.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, já declararam que possivelmente não renovariam o auxílio emergencial em 2021 por causa da quebra da economia que a continuação no pagamento do benefício poderia acentuar.

Porém, o governo federal pode estar mudando de ideia em relação ao assunto, para que o benefício volte a ser pago este ano. De acordo com interlocutores do governo que foram ouvidos pelo Valor Econômico, o presidente não quer romper com o planejamento do Ministro da Economia, Paulo Guedes, promovendo uma flexibilização do teto de gastos para pagar o auxílio.

Contudo, para a renovação do auxílio, Bolsonaro tem o projeto de aprovar a PEC Emergencial, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) chamada como PEC dos gatilhos, com o objetivo abrir espaço no orçamento. O texto original da PEC institui mecanismos de ajuste fiscal, caso as operações de crédito da União ultrapassem a despesa de capital.

Limite para salário de servidores e outras medidas

A PEC também altera limites para gastos com pessoal, inclusive salários de servidores, e proíbe que novas leis autorizem o pagamento retroativo desse tipo de despesa. Ela prevê a reavaliação de benefícios fiscais a cada quatro anos, proíbe de novos incentivos fiscais, além de sua ampliação e renovação.

Além disso, como medidas temporárias, a proposta ainda proíbe a criação de novas despesas obrigatórias por dois anos e permite a redução de carga horária e salários de servidores por esse período, entre outras medidas.

A aprovação da PEC depende de como ficará a disponibilidade de crédito da União, tendo em vista que o valor não poder ultrapassar os gastos que o órgão já tem. A conta precisa estar de acordo com o valor que é arrecadado pelo governo.

Veja também: Saiba se sobrou dinheiro para você receber do auxílio emergencial


Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário