scorecardresearch ghost pixel



Vai para a faculdade? Saiba tudo sobre os tipos de crédito estudantil

Todo mundo quer que você continue seus estudos, mas ninguém pode lhe dizer a melhor maneira de pagar por isso.



Poucos alunos entendem como o crédito estudantil realmente funciona ou o efeito que podem ter nas metas e planos futuros. Quando você está prestes a se formar no ensino médio, pode parecer que todo mundo quer que você continue seus estudos, mas ninguém pode lhe dizer a melhor maneira de pagar por isso.

Veja também: Xiaomi abrirá fábrica de automóveis com produção anual de 300 mil carros

É de se esperar que, se você quiser ir para a faculdade, tenha que fazer um grande empréstimo (ou dois) para poder pagar esse diploma. Um crédito estudantil é o dinheiro emprestado pelo governo ou um credor privado para pagar a faculdade.



O empréstimo deve ser pago depois que você se formar, junto com os juros que aumentam com o tempo. Créditos estudantis são diferentes de bolsas de estudo e subsídios. Os empréstimos sempre precisam ser pagos de volta.

Bolsas de estudo, por outro lado, não precisam ser devolvidas. Os empréstimos estudantis também são diferentes dos programas de estudo-trabalho, nos quais os alunos são pagos para trabalhar no campus.

Tipos de créditos estudantis

Existem dois tipos principais de empréstimos estudantis: federais e privados. Ambos são venenosos para o seu futuro, mas a principal diferença é que os empréstimos federais são emitidos pelo governo, enquanto os empréstimos privados podem ser emitidos por meio de várias fontes diferentes, como bancos, faculdades e cooperativas de crédito.

Fies

O governo paga os custos até chegar a hora de começar a pagar o empréstimo. Depois que o aluno sai da faculdade ou fica abaixo de um certo número de horas, há um período de carência de seis meses antes do início do reembolso e dos juros começarem a aumentar.



Empréstimo direto não subsidiado

São empréstimos de graduação ou pós-graduação em que os alunos não precisam demonstrar necessidade financeira. Com empréstimos não subsidiados, o governo não cobre os juros – os juros começam a aumentar a partir do minuto em que a escola obtém o dinheiro do empréstimo.

Empréstimos diretos

São empréstimos que os pais podem contrair para seus alunos dependentes ou que alunos de pós-graduação podem contrair para si próprios.



Empréstimos particulares

Basicamente, tudo que você precisa saber sobre empréstimos estudantis privados é que eles geralmente são mais caros e têm taxas de juros mais altas do que os empréstimos federais, e o aluno deve começar a fazer pagamentos mensais enquanto ainda está na escola.

Cabe ao credor decidir todos os termos e condições do empréstimo. Além disso, o aluno é responsável por todos os pagamentos de juros – não há como contar com a ajuda do governo.




Voltar ao topo

Deixe um comentário