scorecardresearch ghost pixel



Auxílio emergencial ganha adicional e é confirmado pelo governo

Valor extra será pago em parcela única, que pode chegar a R$ 3 mil. Grupo de beneficiários já foi definido.



O governo federal vai liberar aos beneficiários elegíveis um adicional do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro (PL) liberou oficialmente R$ 4,1 bilhões para os pagamentos do retroativo do programa destinado a pais solteiros que deveriam ter recebido duas cotas em 2020.

Leia mais: Vale-gás terá três pagamentos consecutivos; Saiba como vai funcionar

Mesmo com a liberação, o Ministério da Economia, que é a pasta encarregada dos repasses, informou que ainda não possui uma data exata para realizar o depósito. Até o momento, o que se sabe é que o adicional do auxílio emergencial será pago em parcela única, que pode chegar a R$ 3 mil.



Retroativo do auxílio para pais solteiros

O Congresso Nacional havia aprovado no ano passado o auxílio emergencial em dobro para pais e mães chefes de família, sem cônjuges. Na época, a parcela regular tinha valor de R$ 600 e duas cotas o total de R$ 1,2 mil.

Mas aos chegar nas mãos do presidente, foi vetado o direito de pais solteiros receberem o dinheiro em dobro, restando apenas espaço para mães solteiras. Porém, em meados deste ano, o Congresso derrubou o veto presidencial, retomando o texto original do auxílio emergencial.



Com isso, os pais solteiros voltaram a ter o direito de receber R$ 1,2 mil do programa. Tendo em vista que os pagamentos já foram encerrados e o auxílio já não está mais ativo, o governo federal se propôs a pagar o retroativo, referente à diferença que o grupo de beneficiários não recebeu em 2020.

É importante destacar que o adicional do auxílio é relacionado apenas aos valores do ano passado, nos cinco meses de repasses duplos do programa. Não entram para a conta do retroativo a diferença dos R$ 375 pagos a mães monoparentais esse ano, por exemplo.

Por fim, vale dizer que o pagamento do adicional do auxílio emergencial não se trata de uma prorrogação, mas apenas o pagamento do dinheiro que deveria ter sido pago aos pais solteiros chefes de família enquanto o programa esteve em vigência.




Voltar ao topo

Deixe um comentário