scorecardresearch ghost pixel



Governo libera em junho benefício de até R$ 3.000; consulte seu CPF

Cada mês representa a quantia extra de R$ 600. Aqueles com direito a cinco parcelas recebem o montante de R$ 3 mil.



Milhares de brasileiros podem receber um benefício do governo federal que paga até R$ 3 mil neste mês de junho. Os recursos têm origem no pagamento do auxílio emergencial retroativo, destinado aos pais solteiros chefes de família.

Leia mais: Auxílio-doença: trabalhadores com ansiedade podem pedir o benefício

Os repasses “atrasados” funcionam como uma forma de compensação ao veto que impediu o grupo de beneficiários de receber a cota dupla do auxílio emergencial. Quando foi paga, apenas as mães solteiras chefes de famílias monoparentais tiveram acesso ao valor de R$ 1,2 mil, enquanto os homens somente R$ 600.

É importante destacar que os repasses não se referem a novos pagamentos do auxílio emergencial, que já o programa foi encerrado em outubro de 2021. Atualmente, acontecem somente os repasses das referidas parcelas atrasadas.



Quem pode receber o benefício retroativo?

Não baste ser pai chefe de família para estar apto ao auxílio retroativo. São elegíveis apenas aqueles que receberam o auxílio emergencial entre os meses de abril e agosto de 2020.

Na ocasião, foi comprovado que os homens eram os únicos responsáveis pela casa, sem ajuda de companheira ou cônjuge, e com pelo menos um filho menor de idade sob sua tutela.

Valor do auxílio emergencial retroativo

O montante repassado com a nova parcela não é fixo e varia de acordo com a quantidade de rodadas recebidas pelos pais solo no auxílio de 2020.



Cada mês representa a quantia extra de R$ 600. Portanto, quem recebeu cinco parcelas, terá direito à R$ 3 mil, mas quem recebeu apenas uma, o valor de R$ 600, e assim por diante.

Como consultar o valor do auxílio

Quem deseja saber se tem direito ao benefício pode acessar o site de consulta ao Auxílio Emergencial, desenvolvido pela Dataprev – empresa de tecnologia da Previdência Social.

Basta entrar com uma conta Gov.br, que exige o CPF e uma senha de acesso. Tudo pode ser feito de forma 100% virtual.




Voltar ao topo

Deixe um comentário