scorecardresearch ghost pixel



Tome cuidado: Agência revela 7 celulares que mais emitem radiação

Altos níveis de radiação podem prejudicar o corpo humano, alterando seu metabolismo, provocar mutações e o surgimento de doenças.



O celular é um item quase que obrigatório para muita gente. Ele é usado para a comunicação entre amigos e familiares, para funções do trabalho, realização de tarefas, dentre inúmeras outras funcionalidades. Mesmo com tantos benefícios, um alerta feito por agências reguladoras de todo o mundo apontaram para modelos de aparelhos que emitem mais radiação que o normal.

Leia mais: O que é e como detectar um aplicativo espião dentro do celular

Por terem em meio aos seu componentes diferentes tipos de metais, os telefones celulares geram um aquecimento que resulta em emissões radioativas. No corpo humano, essa reação pode prejudicar o corpo humano, alterando seu metabolismo, provocar mutações e o surgimento de doenças.



7 aparelhos celulares campões em emissão de radiação

E para controlar os índices radioativos de aparelhos celulares, entidades estabeleceram uma “Taxa de Absorção Específica”. Segundo elas, a emissão de 2 watts/kg é o máximo tolerado sem que a saúde do usuário fique comprometida.

E para alertar a população mundial, foi encontrados os 6 aparelhos celulares que mais emitem radiação hoje em dia. Veja quais são eles a seguir:

  1. Motorola Edge
  2. Axon 11 5G
  3. One Plus 6T
  4. Sony Xperia XA2
  5. Google Pixel XL/3a XL, Pixel 4A
  6. Oppo Reno 5G
  7. Sony Xpera XZ1 Compact


Mas calma, ainda não é preciso se desesperar…

Apesar do alerta feito pelas agências reguladoras, mesmo emitindo radiação, os celulares possuem a versão chamada “radiação ionizante”, que contam com frequência baixa e energia mais fraca. Nesse sentido, elas não são fortes o suficiente para gerar danos ao organismo, como no caso dos raios-X, por exemplo.

Sobre o celular causar câncer, ainda não existem estudos que comprovem essa tese, apesar de evidências acumuladas ao longo de duas décadas. Ou seja, nenhuma delas, até o momento, consegue comprovar com indubitabilidade a relação da doença com o uso constante de aparelhos celulares.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário