scorecardresearch ghost pixel



União diminui parte na Petrobras; projeto de privatização avança

O Governo Federal está na fase de avaliação de um projeto para privatizar a Petrobras. O novo aumento no preço dos combustíveis veio como um incentivo a mais para dar agilidade na análise.



O Governo Federal está nesse momento na última etapa de avaliação de um projeto para privatizar a Petrobras. O novo aumento no preço dos combustíveis veio como um incentivo a mais para dar agilidade na análise da proposta. As informações são de que ela avança no Ministério de Minas e Energia e está em fase final de elaboração.

Leia mais: Privatização da Petrobras aguarda apenas o aval de Bolsonaro

Caso a previsão se confirme, a União vai reduzir parte na Petrobras. Essa seria uma forma de confirmar também o que vem sendo feito pelo governo na tentativa de conter os constantes reajustes nos preços dos combustíveis.



Privatizar a Petrobras

Apesar de nutrir a expectativa de o projeto, de fato, privatizar a Petrobras, a dúvida que persiste é se todas as etapas seriam concluídas antes das eleições de outubro. O que é pouco provável que aconteça.

Até mesmo o presidente Jair Bolsonaro já disse em situações passadas que o processo de privatização demoraria, no mínimo, quatro anos para ser efetivado.

As informações são de que o governo busca um projeto semelhante ao que foi feito durante a privatização da Eletrobras, com venda de ações na bolsa, de forma que o governo diluiria a participação da União a menos de 50% das ações.



De acordo com um trecho do projeto, obtido pelo GLOBO, a Petrobras ficaria “autorizada a converter todas as suas ações preferenciais em ações ordinárias, na forma da legislação societária”.

O Governo Federal argumenta que a falta de concorrência no refino é a principal razão para os preços altos. É por esse motivo que existe a preocupação de que o monopólio apenas saia do público para o privado.

Não é para menos que alguns pontos do projeto ainda são criteriosamente analisados. Para que a proposta avance, o governo vai depender do aval do Congresso Nacional.




Voltar ao topo

Deixe um comentário