Nova presidente do IBGE quer recompor quadro de servidores do órgão

Em cerimônia de posse, realizada no último dia 22, Susana Cordeiro Guerra afirmou que vai se empenhar para reestruturar quadro de funcionários do IBGE.

Durante cerimônia de posse, realizada na última sexta-feira, 22, a nova presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Susana Cordeiro Guerra, tratou de seu interesse em recompor o quadro de servidores do órgão.

Em seu discurso, Guerra, entre outros assuntos, citou o alto déficit de servidores do instituto. De acordo com informações do G1, nos últimos anos o IBGE perdeu mais de 30% do seu quadro de pessoal.

A situação, que já é grave, tende a piorar. Isso porque mais 30% dos servidores ativos reúnem condições de se aposentar.

Caso siga os moldes adotados anteriormente, o prazo para solicitar autorização para novo concurso público terminará no dia 31 de maio e, ao que tudo indica, novo pedido será protocolado junto ao Ministério da Economia.

Diante da negativa da solicitação enviada ao extinto Ministério do Planejamento, ainda em 2017, o órgão já havia anunciado intenção de fazer novo requerimento. A expectativa é que o documento, assim como o anterior, solicite 1.800 vagas.

Em 2017, dentro do quantitativo solicitado, 1.200 oportunidades eram para técnicos e 600 para analistas. Enquanto a escolaridade exigida para o primeiro cargo é apenas ensino médio, o segundo demanda ensino superior completo.

Aprovados têm direito a remunerações iniciais de R$ 3.890,87 e R$ 8.213,07, respectivamente.

Censo 2020 deve contratar mais de 240 mil temporários

Além das vagas para efetivos, cresce a expectativa para publicação do edital para os temporários que vão atuar no Censo 2020. A pesquisa, que é uma das maiores realizadas no país, está entre os maiores desafios de Susana Cordeiro Guerra à frente do IBGE.

Segundo informações do instituto, os preparativos para seleção já estão adiantados. Entretanto, o pedido encaminhado em 2018 ainda não obteve resposta do governo.

A previsão é que o certame para temporários aconteça até o mês de setembro deste ano, uma vez que o Censo Experimental, uma espécie de ensaio para a pesquisa, acontece entre o referido mês e novembro.

O órgão, agora, aguarda a resposta do governo federal para prosseguir com os trâmites necessários.

A seleção deve contar com mais de 240 mil vagas em todos os níveis de escolaridade. Confira os cargos contemplados:

Ensino fundamental:

  • Recenseadores – contrato de até cinco meses.

Ensino médio:

  • Agente supervisor – contrato de até nove meses;
  • Agentes municipal e de informática – contrato de até dez meses;
  • Agentes regional e administrativo – contrato de até 12 meses.

Nível superior:

  • Analista censitário – contrato de até dois anos.

Os aprovados devem ser lotados em todo o Brasil. A remuneração ocorrerá de acordo com a produtividade. De acordo com o certame anterior, os valores giram em torno de R$ 1.958,00 e R$ 2.958,00.

Voltar ao topo

Deixe um comentário