scorecardresearch ghost pixel



Procura por empréstimo deve crescer em 2022; veja os motivos

O empréstimo está em alta no Brasil. Autoridades no assunto apontam para os motivos que fazem os brasileiros procurarem incansavelmente por linhas de crédito.



Pode até parecer mentira, mas a verdade é que o número de empréstimos tem aumentado vertiginosamente em 2022. O mercado para quem procura crédito está aquecido e pode ser uma maneira de enfrentar a crise na economia. Se você está em busca de um empréstimo, saiba que o momento pode ser o melhor possível.

Veja também: Comece a ganhar em euro ou dólar, adquirindo experiência sem sair de casa

Segundo um estudo realizado pela Boa Vista, a solicitação por crédito aumentou 6% já em 2021, na comparação com o ano anterior.

No segmento financeiro, a alta registrada foi de 18,1%, enquanto nos demais houve queda de 2,2%. Por outro lado, a Serasa Experian aponta que a alta pode ser ainda mais, e atingir a casa dos 19,4%. Seria a maior demanda por crédito registrada desde 2008.



 

Procura por empréstimo aumentou em 2021 e em 2022

De acordo com as informações, pessoas com renda de até R$ 500 foram as que mais buscaram por empréstimos no país. Se considerarmos apenas esse grupo de cidadãos, a procura por empréstimo cresceu 26,9%.

A divisão da demanda de empréstimo por região é a seguinte:

  • Nordeste: 28,7%;
  • Norte: 28,4%;
  • Centro-Oeste: 21,4%;
  • Sudeste: 17,1%;
  • Sul: 12%.

Por que o número de empréstimos aumentou tanto?

Segundo os especialistas, o principal fator que gerou a maior adesão e procura por um empréstimo está no custo de vida. Segundo o Dieese, a cesta básica ficou entre 11,99% e 29,44% mais cara em 2022, por exemplo. A porcentagem exata depende do município em que a pessoa mora.

Para uma família que mora na cidade de São Paulo, o salário-mínimo necessário para a sobrevivência deveria chegar aos R$ 6,3 mil. Isso quer dizer que a renda mínima precisaria crescer 5,2 vezes em comparação com a atual (R$ 1.212).



 

A quantidade de pessoas com uma ou mais dívidas em aberto chegou aos 77,5% neste ano. O índice é uma marca histórica, sendo a maior já registrada. Ou seja, as pessoas estão precisando de crédito para tentar colocar a vida financeira em ordem, por mais desafiador que isso seja.

A expectativa é a de que os empréstimos continuem crescendo durante todo o ano atual. Foi o que apontou a Pesquisa Febraban de Economia Bancária e Expectativas, da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).




Voltar ao topo

Deixe um comentário