scorecardresearch ghost pixel



Novo aumento na gasolina? Último reajuste da Petrobras tem mais de 70 dias

Maior intervalo entre reajustes desde 2019 deixa brasileiros atentos para novas altas nos preços do combustível.



A Petrobras reajustou os preços da gasolina vendida em suas refinarias há 73 dias, maior intervalo em mais de dois anos e meio. Mesmo assim, o valor do combustível segue nas alturas em bombas de todo o país, além de estar cerca de 8% defasado em relação à cotação internacional.

Leia mais: Quem pode sacar até R$ 1 mil do FGTS a partir desta semana?

Na última segunda-feira, José Mauro Ferreira Coelho foi demitido da presidência da estatal apenas 40 dias após sua posse no cargo. O auxiliar do ministro Paulo Guedes no Ministério da Economia, Caio Mário Paes de Andrade, assumiu o comando da empresa.



A série de substituições é resultado de uma pressão política do governo de Jair Bolsonaro para uma redução nos preços dos combustíveis. Hoje, a Petrobras tem uma política atrelada à cotação do petróleo no mercado internacional e às variações do dólar.

Defasagem

Segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), os valores praticados nas refinarias da estatal têm defasagem média de 8% em relação aos preços de referência nos mercados internacionais.

“Quando ocorrem grandes aumentos nos preços e em momentos com maior pressão geralmente aumenta um pouco também a defasagem“, explica Eric Gil Dantas, economista do Observatório Social da Petrobras (OSP).

A Abicom calcula que a empresa teria que aumentar o litro da gasolina em R$ 0,36, em média, para equiparar o país com o mercado internacional. “Na nossa visão, a Petrobras está segurando o preço. No caso da gasolina, no ano de 2022, foram poucos dias que o preço acompanhou a paridade. Está sempre muito abaixo da paridade”, disse Sérgio Araújo, presidente da entidade.



Mudanças

A Petrobras afirmou ao G1 que “os reajustes seguem sendo realizados sem periodicidade definida, acompanhando as variações do valor do produto no mercado internacional, para cima e para baixo, mas evitando o repasse volatilidade externa e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

Para os analistas, as mudanças no comando da Petrobras e do Ministério de Minas e Energia não devem alterar a política de preços da empresa. Contudo, eles acreditam que a defasagem deve ser mantida.

“Uma coisa era fazer reajustes quando o preço estava menor. Agora estamos perto de patamares recordes, então isso dificulta e a Petrobras acaba segurando”, avalia Dantas.




Voltar ao topo

Deixe um comentário