scorecardresearch ghost pixel



Bolsonaro aumenta Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600

Acréscimo de R$ 200 será uma forma de compensar as altas nos preços da comida e energia, que têm afetado a população mais vulnerável.



O governo federal anunciou que vai aumentar o valor mínimo do Auxílio Brasil. O benefício passará dos atuais R$ 400 para R$ 600 mensais até o mês de dezembro deste ano. Para essa tomada de decisão, o presidente desistirá da compensação aos estados que zerarem a alíquota do ICMS sobre o gás e o diesel.

Leia mais: Descubra o quanto uma pessoa precisa ganhar para ser considerada rica

A elevação do auxílio em R$ 200, segundo a avaliação da cúpula do governo, será um caminho para ajudar a população de maneira mais rápida, enquanto que a compensação do ICMS dependeria dos governadores e poderia ser diluída com reajustes futuros da Petrobras.



Aumento para compensar alta nos preços

O ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que a nova medida para o aumento do Auxílio Brasil está em estudo pela equipe política do governo, porém, ainda não ficou definido como isso será implementado.

Por enquanto, o objetivo é garantir os R$ 400 de renda básica familiar pelo programa, e acrescentar R$ 200 de ajuda devido à guerra na Ucrânia, como forma de compensar as altas nos preços da comida e energia.

Alívio aos mais pobres

Aproximadamente 18,1 milhões de famílias serão beneficiadas com o pagamento mensal do Auxílio Brasil em R$ 600. No geral, o argumento usado pelo governo sobre a guerra na Ucrânia trata da necessidade de garantir um alívio financeiro à população mais pobre, que está sofrendo em demasia com a inflação nos preços de produtos e serviços.



No dia 6 de junho, Bolsonaro declarou que iria compensar os estados que zerassem os impostos que são acrescidos no gás e diesel até dezembro deste ano. Na ocasião, o governo também propôs zerar o PIS/Cofins e Cide que incidem sobre o álcool e a gasolina.

As alterações diminuem consideravelmente as arrecadações dos estados, o que torna o projeto resiste à mudanças pelos governadores. A previsão é que o corte dos tributos deva custar o montante de R$ 73 bilhões.




Voltar ao topo

Deixe um comentário