scorecardresearch ghost pixel



Gasolina adulterada, ‘bomba baixa’ e outras fraudes dos postos que você precisa conhecer

Comerciantes desonestos donos de postos de combustível utilizam esquemas para enganar clientes e lucrar mais.



Os esquemas adotados por donos de postos de combustível estão cada vez mais sofisticados e difíceis de serem identificados. Mesmo com o esforço da Agência Nacional do Petróleo (ANP) em tentar coibir as fraudes, alguns comerciantes teimam em enganar clientes para lucrar mais.

Leia mais: Moedas coloridas da Independência: veja se ainda dá para comprar!

É claro que isso não vale para a grande maioria dos estabelecimentos, mas é importante estar sempre atento. A seguir, conheça alguns dos golpes mais comuns que atingem os motoristas brasileiros na hora de abastecer.

Combustível adulterado

A ANP já encontrou gasolina adulterada com mais de 70% de etanol, enquanto o permitido por lei é 27%. É comum encontrar percentuais na casa dos 40%, 50% e até 60% em muitos postos, ou seja, bem mais etanol do que de fato gasolina.



Outra prática muito vista é a de colocar mais de 8% de água na mistura do etanol. O empresário adiciona até 14% do líquido e quem paga a conta é o motorista.

O resultado para quem tem um carro flex é um consumo bem abaixo do esperado e um prejuízo no bolso. Além disso, a prática pode estragar componentes do veículo e até prejudicar o motor.

Bomba baixa

Esse golpe na própria bomba consiste em exibir uma quantidade superior de combustível ao que de fato foi colocado no taque. A tela informa que o frentista abasteceu 50 litros, mas o cliente só recebe 46 litros, por exemplo.

O controle remoto do aparelho é feito por um escritório remoto para evitar problemas com a fiscalização ou com motoristas que exigem comprovação.

Dedo na vareta

O terceiro esquema mais comum é quando o funcionário coloca o “dedo da vareta”. Isto é: na hora de medir o nível do óleo, o frentista põe o dedo e não deixa a vareta ir até o fundo para mostrar que o motorista precisa trocar o óleo.



A situação pode ficar ainda pior quando a troca do produto é feita no próprio posto. Em alguns casos, o cliente recebe óleo reciclado tirado de outro carro que foi transformado em “novo”.

Outros exemplos

Outras tramóias bastante usuais são: bomba de GNV com pressão acima do permitido; adição de metanol na gasolina ou no etanol; adulteração do Agente Redutor Líquido Automotivo (Arla 32) usado em caminhões; e o famoso posto pirata, que imita uma marca conhecida, mas vende combustível de procedência duvidosa.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário