Dicas para não ficar com o nome negativado no SPC/Serasa

Listamos algumas dicas para os consumidores que desejam escapar das listas de proteção ao crédito. Saiba como não ter seu CPF negativado pelo SPC e Serasa!

Cerca de 40% da população brasileira possui algum empecilho em seu CPF, como possuir o número cadastrado nas listas de negativados dos órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa. Tal situação faz com que a vida financeira do cidadão se torne complicada, visto que o nome sujo pode impedir o acesso a diversos serviços financeiros.

Para evitar que seu nome fique marcado em uma lista de negativados, é necessário tomar alguns cuidados para manter o pagamento das contas em dia. Motivo esse que é um dos principais para a negativação do cidadão. Além do esquecimento de contas, há também a má organização e planejamento que acabam por complicar a vida financeira do indivíduo.

Entretanto, há motivos que não se tem como controlar, como demissão de emprego e gastos com alguma doença repentina. Pensando nisso, listaremos algumas medidas que podem ser tomadas mensalmente pelos consumidores, com o intuito de oferecer ajuda para que seu nome não fique negativado no SPC e Serasa.

Planejamento Financeiro

O primeiro passo para ter um controle dos ganhos e gastos é a realização de um planejamento financeiro. Dessa forma, se torna possível saber qual a média de gastos fixos mensais que o cidadão possui, de modo a controlar os gastos extras de acordo com a remuneração recebida.

Além disso, é extremamente importante que o consumidor avalie qualquer gasto extra que for realizar. No caso de compras, vale pensar se há uma real necessidade em adquirir o produto naquele momento. Caso a resposta seja “não” ou “talvez”, é melhor aguardar um pouco mais e analisar melhor a situação antes de efetivar a compra.

Outra medida é delimitar um valor máximo de gastos, incluindo os fixos e os variáveis. Um exemplo é estabelecer que o máximo que poderá vir a conta de energia é 150 reais, enquanto os gastos extras não poderão passar dos 300.

Dessa forma, o cidadão conseguirá ter uma noção do quanto gasta mensalmente e quanto precisa ganhar para manter os gastos, de modo a evitar o endividamento.

Viver apenas com o salário recebido

Essa pode parecer uma dica um pouco óbvia para parte da população. Porém, um dos grandes motivos para o endividamento e inclusão do CPF na lista de negativados são os gastos acima do valor recebido.

Dessa forma, caso o cidadão receba R$ 2.000 mensais e realize compras no valor de R$ 3.500,00, ele certamente terá dificuldade para realizar a quitação dessa nova dívida adquirida. Assim, o recomendado é que o indivíduo encaixe seu padrão de vida e hábitos de consumo dentro de sua remuneração mensal.

Em caso de comprar de produtos com alto valor, como celulares, carros e outros, é preciso que o consumidor faça contas levando em consideração os gastos que já possui e adicione os gastos que a compra do novo produto irá gerar. Somente após realizar os cálculos e conferir se o valor não comprometerá o orçamento, é que o indivíduo deve realizar a compra.

Veja também: Conheça a fintech que promete tirar o negativado do SPC/Serasa.

Data de Vencimento das Contas

Outro motivo bastante comum para a negativação do CPF é o esquecimento do pagamento de contas no dia correto ou até mesmo da existência da conta. Em alguns casos, o indivíduo até possui a quantia disponível para a quitação da conta, porém acaba se esquecendo de realizar no dia certo, fato que pode gerar juros em cima do valor.

Dessa forma, é preciso que o consumidor tenha sempre anotado as datas de vencimento das contas, para que não ocorra o esquecimento. Uma dica importante é tentar colocar todas as contas para vencerem no mesmo dia, com o intuito de necessitar lembrar de apenas uma data mensal.

Com o pagamento em dia dos débitos, é possível que o consumidor possua uma boa imagem dentro do mercado financeiro, de modo a conseguir uma aprovação fácil em produtos ou serviços, como cartão de crédito e empréstimos.

Débito em Conta

Por fim, outra dica básica porém essencial, é colocar contar recorrente e importantes no modo de débito automático. Assim, se torna menos provável que o consumidor deixe de realizar os pagamentos no dia correto.

O indicado é que as contas essenciais e as que possuem maiores juros em caso de atraso sejam colocadas nessa função. Contas de energia, água e internet devem ser pagas mensalmente e costumam possuir baixo valor, de modo que o débito em conta evite o atraso desses gastos básicos e a negativação do CPF devido a elas.

Além disso, a fatura do cartão de crédito também deve ser colocada em débito automático, visto que os juros devido ao atraso das parcelas é altíssimo. Dessa forma, o valor inicial da dívida pode triplicar em um curto período de tempo devido aos juros, fato que pode facilmente sujar o nome do consumidor.

Voltar ao topo

Deixe um comentário