scorecardresearch ghost pixel



INSS: pedido ainda não foi analisado? Veja o que fazer

A fila de espera por um benefício do INSS é enorme. Pode demorar até um ano para que o pedido seja analisado! Confira qual a saída para o segurado.



Entrar com um pedido de benefício no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pode ser sinônimo de uma grande espera, pois a fila para análise é enorme. Em alguns casos, a espera passa de um ano! Veja o que fazer quando o pedido ainda não foi analisado nessas situações.

Leia mais: Quem pode ganhar R$ 1,2 mil por mês sem ter contribuído para o INSS?

Por lei, o INSS tem até 30 dias para analisar os pedidos de benefício, podendo até prorrogar esse período por mais 30, mas com justificativa. Caso falte algum documento, por exemplo. Mas na prática? O tempo de espera é muito superior a esse. O que se nota é que raramente a Previdência cumpre o prazo previsto por lei.



Pedido ainda não foi analisado: o que fazer?

O único caminho que os trabalhadores têm encontrado de uns tempos para cá é contratar um advogado ou especialista em previdência para conseguir que o processo seja analisado mais rapidamente.

Essa prática que não é a ideal, afinal de contas, a contratação de um profissional é mais um gasto para os cidadãos., então a saída é inviável para muitos deles que podem até mesmo não ter outra fonte de renda até que o benefício seja aprovado.

Uma tentativa, sem custos, é registrar a reclamação no serviço de Ouvidoria do INSS. Apesar de ser um serviço disponível, o tempo de resposta nesses casos também tende a ser maior. O registro é feito no telefone 135 ou no site e aplicativo “Meu INSS”.

Já faz algum tempo que o INSS promete acabar com as filas, mas muitas mulheres seguem aguardando pelo salário maternidade, além de outros benefícios como a aposentadoria e auxílio-doença, enquanto isso não acontece.

Na opinião de especialistas, a forma mais rápida de conseguir o benefício continua sendo os pedidos feitos na justiça. Hoje em dia são mais de 1,6 milhão de processos que estão na fila para análise.




Veja mais sobre

Voltar ao topo

Deixe um comentário