scorecardresearch ghost pixel



Preço da gasolina registra maior intervalo sem reajuste desde 2016

Combustível vendido nas refinarias da Petrobras não sofre aumento há quase 100 dias, desde o dia 10 de março.



Comprar gasolina da Petrobras está valendo mais a pena do que importar o combustível para as distribuidoras. O motivo é que a estatal está há 95 dias sem reajustar o preço do derivado de petróleo vendido em suas refinarias, defasagem que deixou seus valores mais vantajosos desde o dia 25 de abril.

Leia mais: FGTS vai distribuir lucro de R$ 12 bi, mas com perdas para a inflação

A última correção anunciada pela empresa foi de de 18,7% e começou a valer no dia 11 de março. O aumento veio duas semanas após a invasão russa à Ucrânia, conflito que segue pressionando o preço do petróleo.

O intervalo sem reajustes é o maior desde 2016, quando o ex-presidente Michel Temer (MDB) e o então presidente da Petrobras, Pedro Parente, adotaram a política de paridade internacional dos preços. A informação é da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis).



O primeiro reajuste baseado nas cotações internacionais ocorreu 166 dias após a adoção da política, em setembro de 2016. Desde então, a Petrobras nunca ficou mais de 58 dias sem corrigir seus preços.

Se a empresa decidir corrigir a diferença entre os valores praticados no Brasil e no mercado internacional, o litro da gasolina pode ficar cerca de R$ 0,82 mais caro.

Já o diesel, que está com cerca de 16% de defasagem, deve ser reajustado com mais urgência. Embora último aumento tenha ocorrido em maio, há risco de desabastecimento mundial, o que eleva a pressão por um novo aumento.




Voltar ao topo

Deixe um comentário