scorecardresearch ghost pixel



INSS: Valores das contribuições sobem a partir de fevereiro; Confira a tabela

Recolhimentos ao INSS efetuados a partir de fevereiro sofrerão reajustes com base no INPC acumulado em 2021.



O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) anunciou o reajuste nos valores das contribuições feitas pelo brasileiros a partir de fevereiro. Os novos valores têm validade para trabalhadores domésticos, avulsos e funcionários com carteira assinada.

Leia mais: Preço da gasolina passa de R$ 7 em alguns estados: veja valores atualizados

A mudança começa a valer em fevereiro porque é relativa às remunerações de janeiro. Já as contribuições feitas neste mês são referentes aos salários de dezembro de 2021, por isso seguem a tabela antiga.

Após a reforma da Previdência, essas taxas passaram a ser progressivas. Isso significa que são cobradas sobre a parcela do salário que se enquadra em cada faixa, o que deixa a alíquota efetiva um pouco menor. 



Um trabalhador que ganha R$ 1.212 paga 7,5% de alíquota de contribuição sobre esse valor, mais o percentual previsto na tabela para o montante que exceder essa quantia.

Nova tabela de contribuição ao INSS

 Valor do salário em 2021

Valor do salário em 2022 Percentual de recolhimento

Até R$ 1.100

Até R$ 1.212 7,5%

Entre 1.100,01 e R$ 2.203,48

Entre R$ 1.212,01 e R$ 2.427,35 9%

Entre 2.203,49 a R$ 3.305,22

Entre R$ 2.427,36 e R$ 3.641,03 12%
Entre R$ 3.305,23 a R$ 6.433,57 Entre R$ 3.641,04 e R$ 7.087,22

14%

Para ilustrar melhor como funciona, veja uma exemplo: um trabalhador que recebe R$ 1.500 pagará 7,5% sobre R$ 1.212 (R$ 90,90), mais 9% sobre os R$ 288 excedentes (R$ 25,90), totalizando recolhimento de R$ 116,80.

Reajuste nos benefícios

Os benefícios do INSS no valor de um salário mínimo tiveram reajuste de 10,18% no dia 1º de janeiro. Agora, foi confirmada a correção de 10,16% para aposentadorias e pensões acima do piso nacional.

Com isso, o teto dos pagamentos passa de R$ 6.433,57 para R$ 7.087,22. O reajuste adotado também impacta o auxílio-doença e o auxílio-reclusão.




Voltar ao topo

Deixe um comentário