Geografia de Santa Catarina para Concursos

O estado catarinense está entre os primeiros territórios explorados pelos colonizadores portugueses. Conheça todos os seus aspectos geográficos.

Concurseiros catarinenses, com certa frequência, encontram no conteúdo programático dos editais de concursos públicos e processos seletivos regionais a matéria de geografia de Santa Catarina.

Com base em conteúdos cobrados nas provas do estado e de seus municípios, fizemos um apanhado geral sobre os principais aspectos geográficos do estado, incluindo detalhes sobre economia, cultura e história. Confira o artigo sobre geografia de Santa Catarina para concursos e bons estudos!

Formação do território e história do estado

Por encontrar-se no litoral e estar relativamente próximo a São Paulo, o estado de Santa Catarina, além de ser uma das rotas dos navegadores europeus, está entre os primeiros territórios explorados pelos colonizadores portugueses.

Entre as pioneiras, a expedição que mais se destaca, data de 1515, e foi liderada por Juan Díaz de Solis. Os homens que faziam parte da empreitada foram recebidos pelos habitantes locais, os índios carijós, pertencentes ao grupo tupi-guarani.

O português nomeou as águas que dividiam a ilha de Santa Catarina e o continente como “baía dos perdidos”, por conta do naufrágio de uma embarcação naquele local. Os primeiros colonos do território foram, além dos náufragos, alguns desertores.

Em 1526, o italiano Sebastião Caboto chegou ao local em uma expedição espanhola. Ao publicar mapas referentes à região, deu-lhe o nome de  “Porto dos Patos”.

Somente no ano de 1529 é que o nome Santa Catarina é ligado à ilha pela primeira vez, quando Diego Ribeiro apresentou seu desenho do mapa-múndi. Porém, há controvérsias a respeito da escolha do nome.

Enquanto alguns defendem que foi uma homenagem de Caboto à sua esposa, Catarina Medrano, outros dizem que foi uma homenagem a Santa católica Catarina de Alexandria, versão que é a mais aceita.

Apesar das explorações precoces, a povoação, de fato, só começou a partir de 1637, quando os bandeirantes chegaram e deram início a ocupação de Nossa Senhora do Desterro, que mais tarde se transformou na capital, Florianópolis.

Poucos anos depois, em 1660, foi fundada a vila de Nossa Senhora das Graças, onde hoje é a cidade de São Francisco do Sul. Demorou algum tempo até a fundação do segundo município. Santo Antônio dos Anjos da Laguna, hoje conhecido apenas como Laguna, foi fundado no ano de 1714.

Em 1739 Santa Catarina era o posto português mais avançado da América do Sul, o que tornou o local um alvo dos espanhóis, que por sua vez, invadiram o território em 1777. Tropas e autoridades foram expulsos para o continente. A ilha só voltou a pertencer aos portugueses com o Tratado de Ildefonso, firmado no mesmo ano.

Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais recebeu imigrantes. Alemães começaram a chegar na região em 1829, e italianos a partir de 1877. Ambos instalaram diversas colônias europeias.

A primeira delas, foi em São Pedro de Alcântara, no mesmo ano de chegada dos alemães. Uma das mais famosas, Blumenau, é de 1850, e foi instalada no Vale do Itajaí por Hermann Blumenau.

Em relação aos acontecimentos históricos, em 1839 Santa Catarina foi palco da Revolução Farroupilha, que eclodiu no Rio Grande do Sul, mas acabou chegando até a cidade de Laguna, que, tomada pelos revoltosos, passou a chamar-se Juliana de Laguna.

O objetivo era transformar o território catarinense em uma República, separada do restante do país. Tomando Laguna, os farrapos instalaram o Governo da República Farroupilha. Em 1845 eles foram derrotados.

Outro acontecimento importante foi a Guerra do Contestado, um conflito armado popular que durou entre 1912 e 1916. Os combates aconteceram em uma área de disputa territorial entre Santa Catarina e o Paraná.

Detalhes sobre Santa Catarina

Um dos três estados do sul do Brasil, Santa Catarina é representado pela sigla SC. Seu gentílico é o catarinense. Limita-se a leste com o oceano Atlântico, ao sul com o Rio Grande do Sul, ao norte com o Paraná e a oeste com a Argentina.

Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área do estado é de 95.736,165 km², colocando-o como vigésima unidade federativa em extensão territorial.

Possui, ao todo, 295 municípios, divididos em sete regiões geográficas intermediárias e 24 regiões geográficas imediatas:

  • Florianópolis: Florianópolis.
  • Criciúma: Criciúma, Tubarão e Araranguá.
  • Lages: Lages e Curitibanos.
  • Chapecó: Chapecó, Joaçaba-Herval d’Oeste, São Miguel do Oeste, Concórdia, Xanxerê, Maravilha e São Lourenço do Oeste.
  • Caçador: Caçador e Videira.
  • Joinville: Joinville, Mafra e São Bento do Sul-Rio Negrinho.
  • Blumenau: Blumenau, Itajaí, Brusque, Rio do Sul, Ibirama-Presidente Getúlio e Ituporanga.

Florianópolis e as principais cidades

A capital do estado de Santa Catarina é a cidade de Florianópolis. Com uma população de 492.977 habitantes, é a cidade mais importante do estado. Entretanto, a cidade mais populosa é Joinville.

Fundado em 23 de março de 1623, a emancipação do município aconteceu na mesma data, mas no ano de 1726. Florianópolis é composta pela ilha principal, Santa Catarina, pequenas ilhas circundantes e a porção continental.

Um dos pontos mais relevantes sobre a capital é a sua elevada qualidade de vida, além da terceira maior pontuação no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil, com 0,847, portanto, muito elevado.

Outras cidades de grande importância para o estado, além de Florianópolis e Joinville, são Blumenau, São José, Chapecó, Criciúma, Itajaí, Jaraguá do Sul, Palhoça, Lages e Balneário Camboriú.

Bandeira de Santa Catarina

Bandeira de Santa Catarina

Considerado o patrono da educação superior em Santa Catarina, José Arthur Boiteux foi o responsável por criar a bandeira do estado. Ela foi instituída em 15 de agosto de 1895, durante o governo de Hercílio Luz.

Durante o primeiro governo de Getúlio Vargas todos os símbolos oficiais dos estados foram suspensos. Passado este período, o uso da bandeira catarinense foi revitalizado por uma lei sancionada em 1953. Ela, inclusive, alterou o desenho da bandeira original. Essa alteração mantém-se até os dias de hoje.

A bandeira, além das cores principais, vermelho, branco e verde, é composta por diversos itens. Confira o significado de cada um deles:

Escudo – 17 de novembro de 1889: informa a data do reconhecimento da Proclamação da República, que só foi noticiada no estado dois dias depois da data real do fato.

  • Café: representa a cafeicultura presente no leste do estado.
  • Trigo: simboliza a forte agricultura do território.
  • Barrete Frígio: representação do governo republicano.
  • Chave: representa Santa Catarina enquanto um ponto estratégico do Brasil.
  • Águia: simboliza a força dos catarinenses.

População

Segundo o IBGE, em 2016 a população estimada do estado era de 6 910,553 habitantes, portanto, a décima primeira unidade federativa brasileira em índices populacionais.

A densidade demográfica é de 72,18 hab./km² e o crescimento demográfico é de 1,6% ao ano. Grande parte das pessoas, aproximadamente 85% vive na zona urbana. Além disso, a faixa litorânea é a porção mais populosa.

Por conta do alto fluxo migratório, Santa Catarina possui grande diversidade étnica. A cultura é diretamente influenciada pela presença de portugueses, italianos, alemães, poloneses, japoneses e outros. Indígenas e descendentes de africanos completam composição populacional do estado.

Economia

Na economia, Santa Catarina possui grande expressão em diversos setores, como a agropecuária, indústria, turismo e extrativismo. Na pecuária, apesar do rebanho bovino não estar entre os maiores do país, ele possui grande relevância. Contudo, suínos e aves representam o maior número de exportações.

Esse fato influencia diretamente na agricultura. Cultivado no planalto basáltico, o milho, responsável por alimentar os suínos, é o principal destaque do setor. Além dele, são notórias as plantações de soja, arroz, fumo, cana-de-açúcar, feijão, mandioca, trigo, cebola, tomate, batata-inglesa e uva.

Considerada como atividade de extração animal, a pesca caracteriza um dos pilares da economia catarinense. O estado é um dos maiores produtores de pescado do país, principalmente através da pesca artesanal, um herança dos imigrantes açorianos. Florianópolis, Itajaí e Navegantes são os polos principais.

Em Blumenau e Joinville estão os principais centros industriais de Santa Catarina. O primeiro é notório no ramo têxtil, enquanto o segundo é mais diversificado, além das fábricas de tecido, há produção de gêneros alimentícios, indústria mecânica e de fundição.


O noroeste do estado também guarda uma importância considerável. Destacam-se as fábricas de motocompressores, componentes elétricos, motores, refrigeradores, máquinas industriais e outros, que representam grandes números nas exportações.

Na porção sul estão as principais fábricas de cerâmica de revestimento do Brasil. Santa Catarina lidera, ainda, a produção de louças e cristais.

Os extrativismos vegetal e mineral são outros importantes componentes da economia catarinense. Destacam-se os pinheirais, a produção de erva-mate, papel e celulose. Na mineração, apesar de o carvão mineral ser o produto mais notório, há reservas de calcário, mármore, manganês e galena argentífera.

Outro ponto forte é o turismo. Além das conhecidas praias, como as de Jurerê Internacional, em Florianópolis e as de Balneário Camboriú, a zona de colonização alemã atrai milhares de turistas todos os anos. Em Blumenau acontece a famosa Oktoberfest, com chopp, músicas típicas e danças folclóricas.

Relevo

O relevo catarinense é um dos mais diversificados de todo o Brasil. Mais de 75% do território está acima de 300m de altitude e mais de 50% ultrapassa os 600m. Ao todo, quatro unidades compõem o quadro morfológico, de leste para oeste:

Baixada litorânea – compreende os territórios com menor altitude, com terras abaixo dos 200m. É mais expressivo na região norte, ao passo que vai se estreitando na porção sul.

Serra do Mar – está presente na parte da baixada litorânea a oeste. Com exceção do norte, onde há formação de um rebordo escarpado de um planalto com certa regularidade. Em Santa Catarina a serra possui maior diversidade se comparada a outros estados. No território catarinense ela forma uma faixa montanhosa, que pode chegar a 1000m de altitude.

Planalto paleozóico – estende-se por trás na serra do Mar. Sua superfície plana está dividida em compartimentos isolados pelos rios que correm no sentido leste. As altitudes vão diminuindo no sentido norte-sul.

Planalto basáltico –  é o relevo predominante em Santa Catarina. Sua superfície é regular, com inclinação suave para oeste. Há imensos vales abertos pelos rios que correm para o Paraná. É formado por camadas de basalto, intercalado com camadas de arenito. É limitado a leste pela serra Geral. No norte, é encontrado no interior. Enquanto no sul vai se aproximando do litoral, até que na divisa com o Rio Grande do Sul, cai diretamente sobre o mar.

Veja também: O que é Planalto e suas principais características e formação

Clima

Há predominância de dois climas, o subtropical úmido com verões quentes e o subtropical úmido com verões brandos. O primeiro tem incidência na baixada litorânea e nas partes mais baixas do planalto, a exemplo do vale do rio Uruguai e extremo ocidental.


Na baixada e no vale do rio Uruguai a média da temperatura anual é de 20ºC, enquanto no extremo ocidental cai para 18ºC. As chuvas são bem distribuídas no decorrer do ano, com pluviosidade média de 1.500mm.

No restante do planalto a incidência é do subtropical úmido com verões brandos. Há grandes variações de temperatura entre verão e inverno, que por sua vez, são muito rigorosos, inclusive, com  presença de dias a fio de geada. As temperaturas médias anuais ficam entre 16ºC e 18ºC, com a mesma pluviosidade que o anterior. Porém, com uma pequena porção na forma de neve, em regiões específicas.

Vegetação

Apesar de toda o desmatamento e impacto das ações humanas, Santa Catarina é o estado do sul que preserva a maior cobertura vegetal original. Atualmente, cerca de 14% da vegetação nativa está preservada.

Essa formação apresenta uma grande diversidade, principalmente por conta da localização geográfica, clima, relevo e tipos de solo. Conheças as cinco categorias principais:

  • Floresta Atlântica: também chamada de Floresta Ombrófila Densa, compreendia 32,9% da vegetação nativa. Por conta da ação humana, hoje restam apenas 22% desse total, representando a maior área coberta por floresta em Santa Catarina. Está presente principalmente nas planícies e serras da costa. Uma das principais características é a influência do mar, árvores heterogêneas e de grande porte.
  • Floresta de Araucárias: é uma das vegetações que caracteriza as paisagens do sul do país. É predominante no planalto serrano e na porção oeste do estado, onde o clima é mais ameno. Uma dos aspectos mais comuns são as espécies aciculifoliada, ou seja, com folhas em formato de agulha. É uma das mais degradadas, principalmente pela indústria madeireira. Dos 40% originais, hoje restam apenas 5%.
  • Floresta subtropical: abriga as espécies cujas folhas caem no outono e inverno. Predominante na região próxima ao Uruguai, era a segunda menor vegetação nativa, cobrindo 9,6% do território. Por conta das atividades agropecuárias hoje está praticamente extinta.
  • Vegetação Litorânea: constituída principalmente por mangues, dunas e restingas, a vegetação litorânea, como o nome esclarece, se estende por boa litoral catarinense, desde o norte, até as proximidades de Laguna. Originalmente cobria aproximadamente 2,1% do território estadual.
  • Campos: a constituição vegetal dos campos é variada, mas a formação principal é das matas de galerias e capões. Inicialmente ocupava 15% da vegetação nativa, porém, por conta das plantas de porte baixo, gramíneas e herbáceas, a pecuária extensiva encontrou o espaço ideal, portanto, houve intenso desmatamento.

Algumas espécies da flora característica de Santa Catarina são a araucária, paineira, cedro, pingo-de-sangue, caroba, quebra-pedra, samambaias, orquídeas, justícia-vermelha, alamanda, aroeira-vermelha, erva-mate, cerejeira e ingá.

Fauna

Como visto anteriormente, a vegetação original do estado era composta predominantemente por campos e floresta. Essa formação garante uma grande diversidade na fauna. Além da grande quantidade de aves, destaque para os mamíferos.

Conheça alguns animais da fauna catarinense:

  • Albatroz
  • Maracanã-verdadeira
  • Guará
  • Anta
  • Jaguatirica
  • Bugio
  • Macuco
  • Araponga
  • Cachalote
  • Porco-do-mato
  • Toninha
  • Paca
  • Veado-mateiro

Hidrografia

No estado há dois sistemas de drenagem: o sistema integrado do interior – bacia do Prata – formado pelas bacias dos rios Uruguai e Paraná  e o sistema da vertente do Atlântico, formado por diversas bacias isoladas do litoral catarinense.

A maior parte do território, cerca de 63%, é ocupado pela drenagem da vertente interior, principalmente pela bacia do rio Uruguai. Ela possui importantes afluentes, a exemplo dos rios Chapecó, Irani, das Antas, Peperi-Guaçu, Canoas, Jacutinga e do Peixe.

Os outros 37% compreendem a área que fica sob influência da vertente do Atlântico, cujo principal rio é o rio Itajaí-Açu, formado principalmente pelos rios Itajaí do Sul e do Oeste por rios de curso menor, Hercílio e Itajaí-Mirim. Eles formam a maior bacia inteiramente catarinense.

Ainda nessa vertente há bacias menores formadas pelos rios Tijucas, Mampituba, Urussanga, Cubatão do Norte e do Sul, Araranguá, Itapocu e outros.

Comidas típicas de Santa Catarina

Sem dúvidas a principal influência da culinária tradicional catarinense é europeia. Desde a comida litorânea, muito íntima da culinária açoriana, passando pelos pratos servidos na região serrana.

Conheça algumas comidas típicas de Santa Catarina:

  • Polenta no fio
  • Eisbein (joelho de porco)
  • Cuca
  • Fortaia
  • Tainha
  • Bockwurst ou salsicha bock
  • Pinhão
  • Marreco
  • Apfelstrudel (torta de maçã)
  • Churrasco

Principais indicadores socioeconômicos

Conhecer os indicadores socioeconômicos do estado é uma das principais formas de traçar um panorama geral a respeito de sua realidade. Santa Catarina está entre as unidades federativas brasileiras que apresentam os melhores índices, o que reflete diretamente na alta qualidade de vida de seus moradores.

Confira alguns dos dados mais relevantes do estado:

Expectativa de vida – com 79,1 anos, Santa Catarina é a primeira unidade federativa brasileira nesse quesito.

Alfabetização –  aproximadamente 97,2% de toda a população é alfabetizada, portanto, é o terceiro melhor percentual do ranking brasileiro.

Indivíduos com nível superior completo – 9,69% dos indivíduos possuem ensino superior completo, deixando Santa Catarina como a quinta colocada entre todas as unidades federativa.

Incidência de pobreza – mais uma vez o estado apresenta o melhor índice. Santa Catarina é o estado com menos pessoas em situação de extrema pobreza, apenas 1,7% da população.

Municípios com acesso à rede de esgoto – neste indicador o estado apresenta o seu pior resultado. Somente 35,2% dos municípios catarinenses possuem rede de esgoto, número que o coloca como décimo sexto no ranking brasileiro.

Mortalidade infantil – o estado apresenta a segunda melhor taxa no país. A cada mil nascimentos de crianças vivas, 9,2 não completam o primeiro ano de vida.

Taxa de natalidade – a taxa de natalidade é a terceira menor do Brasil, 12,5%.

Geografia de Santa Catarina para Concursos
5 (100%) 2 votes
Voltar ao topo

Deixe um comentário